Rio inicia campanha contra turismo sexual

Um grupo de 600 jovens percorreu hoje a orla da zona sul do Rio distribuíndo aos turistas folhetos de alerta contra o turismo sexual envolvendo menores - crime cuja pena é de dois a dez anos de prisão. Das 8 às 18 horas de hoje, os jovens, que participam de programas sociais da Secretaria de Estado de Ação Social e Cidadania, percorreram as praias fazendo panfletagem, em português, inglês, francês e espanhol. A idéia é distribuir os folhetos também na rodoviária Novo Rio, no cais do porto e nos aeroportos Santos Dumont e do Galeão. No último fim de semana, houve distribuição de cartazes em 110 hotéis e motéis da cidade.Desde que a Secretaria de Estado de Ação Social e Cidadania lançou o Disque-denúncia contra a exploração sexual de crianças e adolescentes, há quatro meses, os agentes recolheram cem menores das ruas e prenderam sete aliciadores. Foram feitas 575 denúncias. A campanha foi elogiada pelos estrangeiros que estavam hoje na orla."A prostituição infantil é um problema em todo o mundo. Acho importante que o governo do Rio se preocupe em alertar os turistas. Já estive na Ásia, em outros países da América do Sul e também no nordeste do Brasil e nunca vi uma campanha assim", disse o contador alemão Andre Erhard, de 39 anos, que está no Brasil há uma semana para assistir ao desfile das escolas de samba. "Tem turista com gosto para tudo: gente que quer ver praia, monumento, mulher e também criança. Só que eles não querem saber se isso é crime ou não."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.