Paulo Vitor/AE -09/03/2010
Paulo Vitor/AE -09/03/2010

Rio inicia nova fase do projeto de revitalização da Zona Portuária

Após construção de túnel, Elevado da Perimetral será demolido

Tiago Rogero, estadão.com.br

21 Setembro 2011 | 14h19

 RIO - Começou nesta quarta-feira, 21, a segunda fase de obras do Porto Maravilha, projeto de revitalização da Zona Portuária do Rio. Teve início a perfuração para construção do Túnel da Saúde, primeiro passo para a demolição de 4 quilômetros do Elevado da Perimetral. Com a construção de seu primeiro trecho na década de 1950, concluído no início dos anos 70, o Elevado é o equivalente carioca ao Minhocão, de São Paulo.

A demolição do trecho da Perimetral deve começar em 2013. Em substituição ao Elevado, será construído o Binário do Porto, via paralela à Avenida Rodrigues Alves, que margeia a Zona Portuária. "Ninguém acredita que a Perimetral vai cair. Ela vai cair, acreditem se quiser", disse o prefeito do Rio, Eduardo Paes (PMDB), em discurso na solenidade de início da construção do túnel, primeira obra do Binário. 

Com extensão de 70 metros, o túnel cruzará o Morro da Saúde. Outros dois serão construídos: o Túnel do Binário, a partir do mês que vem, e o da Via Expressa, em novembro. "São quase R$ 4 bilhões em obras de infraestrutura, mais a manutenção da região, e tudo pago com recurso privado. É a conta mais fechada de todo o processo de Olimpíadas e Copa do Mundo - e começando com muita antecedência", afirmou Paes.

O Binário, segundo a Companhia de Desenvolvimento Urbano da Região do Porto do Rio (Cedurp), "vai assumir o papel de via de distribuição do tráfego ao longo da Zona Portuária". Terá 3,5 km de extensão e três pistas em cada sentido. 

De acordo com a Cedurp, a construção do túnel não causará mudanças imediatas, alterações ou transtornos no trânsito. O novo sistema viário da região, que aumentará a capacidade de tráfego da Rodrigues Alves em 50%, só deverá ficar pronto em 2015. 

Mais conteúdo sobre:
riozona portuaria

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.