Rio lança 100 mil panfletos e recompensa denúncia contra traficantes

Há pouco mais de uma semana, policiais civis e militares percorrem ruas e becos de favelas do Rio em busca de traficantes, na chamada operação Pressão Máxima. Agora, os agentes resolveram pedir a ajuda às comunidades para caçar criminosos perigosos. Nesta quinta-feira, em mais um dia de operação, na qual 880 policiais estiveram em 21 favelas, o helicóptero da Polícia Civil lançou sobre quatro delas cem mil panfletos com nomes e fotos de quatro traficantes foragidos.Os locais escolhidos foram as comunidades do Jacarezinho, Rato Molhado, Manguinhos (todos na zona norte) e no Morro São José Operário, na zona oeste. São procurados: Wanderson da Silva Brito, o Paquito; Bruno Lemos de Carvalho, o Bruninho G3; Luís Caetano Rodrigues, o Lourinho; e um traficante identificado apenas como Natanael. Quem tiver informações sobre eles deve entrar em contato com o disque-denúncia pelo telefone (21) 2253-1177.O comandante da Core, Rodrigo Oliveira, disse que a medida tem o objetivo de encontrar traficantes que ?aterrorizam? e dominam aquelas comunidades. ?Eles foram reconhecidos por alguns moradores, através de fotos. São acusados de homicídios e roubo de carros na região". Ele anunciou que nesta sexta-feira mais cem mil panfletos serão lançados por helicóptero nas mesmas favelas. O disque-denúncia informou que até o fim da tarde de hoje havia recebido 12 ligações. A polícia oferece recompensa de R$ 2 mil para quem fornecer o paradeiro dos bandidos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.