EFE/ Raphael Alves
EFE/ Raphael Alves

Rio Negro atinge 30 metros, na maior cheia em 119 anos em Manaus

Serviço Geológico prevê que o nível do rio ainda pode subir mais dois centímetros até o final do período; segundo Defesa Civil dos 62 municípios do Amazonas, 58 estão alagados, e 414.371 pessoas estão afetadas

Redação, O Estado de S.Paulo

05 de junho de 2021 | 19h03

O Rio Negro registrou neste sábado, 5, 30 metros na capital amazonense, a maior marca desde 1902, ano em que o nível do rio passou a ser monitorado pelas autoridades. O recorde anterior foi superado no dia 2 de junho, após subir acima de 29,98 metros, ultrapassando em 1 centímetro o nível recorde registrado em 2012

De acordo com o Serviço Geológico do Brasil, o nível do rio poderia alcançar 30 metros, o que se confirmou hoje, podendo subir mais dois centímetros até o final do período. O boletim de monitoramento hidrometeorológico da região publicado na sexta aponta que, em Manaus, o rio segue em processo de enchente severa subindo a uma média de 1 cm por dia na última semana.

O Rio Solimões também preocupa, na cidade amazonense de Manacapuru o rio atingiu hoje a marca de 20,82 metros, nível que também representa a maior cheia da série histórica Até então o recorde havia sido registrado em 2015. Os registros em Manacapuru têm 49 anos.

Em Itacoatiara, a cheia do Rio Amazonas é a 2ª maior, tendo atingido 15,20 metros. O recorde é 16,04 m, observado em 2009. Segundo dados da Defesa Civil do Estado do Amazonas, dos 62 municípios do Amazonas, 58 estão alagados, e 414.371 pessoas estão afetadas.

Conforme divulgado pelo Serviço Geológico, o que determina a magnitude dessas cheias é a chuva que ocorre em todas as bacias que drenam para essa região, como a bacia do Negro, do Solimões e todos os seus afluentes (Purus, Juruá, Japurá, Jutaí e etc), incluindo suas áreas externas ao Brasil, na Colômbia, Peru e Equador. A Bacia Hidrográfica do Amazonas é a maior bacia hidrográfica do mundo. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.