Rio pode ter racionamento de água

Apesar da chuva prevista pelos meteorologistas para este sábado, a Companhia Estadual de Água e Esgoto (Cedae) não descarta a hipótese de racionamento de água, por causa da estiagem no Estado.As chuvas fracas da última terça-feira não foram suficientes para que a produção voltasse ao normal. Segundo a companhia, a capacidade ficou reduzida em 60% nos dias mais críticos. As áreas mais atingidas foram a Baixada Fluminense e municípios do Grande Rio, como Niterói e São Gonçalo.?Se não chover o bastante, teremos de estudar uma forma de fazer racionamento?, afirmou João Benedito Lorenzon Mello, responsável pelo abastecimento no Estado, descartando a medida ?por enquanto?. Depois da chuva de terça-feira, o quadro em parte da Baixada Fluminense, Niterói e São Gonçalo foi invertido, e a produção atingiu quase 100%. ?As chuvas não foram suficientes, mas a tendência agora é voltar ao normal, se continuar a chover até o fim de outubro e em novembro?, disse Mello.No período mais seco, a Baixada ficou com apenas 40% da produção normal. A capacidade é de 3,6 mil litros por segundo quando os mananciais estão normalizados. Com a estiagem, ficou em menos 1,5 mil litros por segundo. Na Baixada, os municípios mais prejudicados foram Duque de Caxias, Nova Iguaçu, Queimados e Japeri.O litoral sul, a região serrana e o interior do Estado também foram atingidos. Japeri, com cerca de 73 mil habitantes, ficou em situação bastante crítica. ?Está grave, muito ruim. Estamos em pânico. Daqui a pouco vamos entrar em colapso?, disse o prefeito Carlos Moraes (PSB). Segundo ele, algumas moradores chamaram carros-pipa, apesar de a Prefeitura ter disponibilizado um para abastecer as regiões em situação mais crítica.Em Caxias, a falta d?água é um problema crônico, agravado pela falta de chuvas. ?Das 114 escolas do município, temos 30 abastecidas por caminhões-pipa disponibilizados pela Prefeitura por causa da constante falta d?água. Com a estiagem, o número subiu para 40. Precisamos contar com São Pedro para que o ano letivo seja cumprido?, afirmou a secretária de Educação, Roberta Barreto. Caxias tem 1 milhão de habitantes.Queimados também vive dias difíceis, porque o nível do rio D?Ouro, que abastece a cidade, está baixo. ?Nosso município cresceu e nossas instalações têm 30 anos?, afirmou o vice-prefeito, Carlos Albino (PSB). A estiagem já dura 45 dias e há muitas ruas sem água, especialmente nas regiões mais altas. Cinco carros-pipa estão circulando no município, de 200 mil habitantes.Mario Tricano (sem partido), prefeito de Teresópolis, na região serrana, criticou a Cedae pela falta de medidas preventivas. ?A Cedae tem que aumentar o número de reservatórios de captação de água para atender a população em época de seca?, disse. A Prefeitura está alertando a população para não haver desperdício de água. Cerca de 125 mil pessoas vivem em Teresópolis.PrevisãoO Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet) prevê chuva fraca para o fim deste sábado. Mas neste domingo o tempo já deverá estar aberto. ?Desde o início de outubro não chove forte. Normalmente, esse período tem chuvas ocasionais, mas, este ano, a estiagem está prolongada. As chuvas só devem intensificar-se em dezembro?, informou o meteorologista Almerino Marinho. Antes da terça-feira, a estiagem durava 22 dias.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.