Rio prende jovens do ''''tráfico de elite?

A Polícia Civil prendeu ontem oito jovens traficantes de classe média e média alta do Rio, acusados de integrar uma quadrilha que vendia maconha, haxixe, crack, cocaína, ecstasy e LSD. O nono integrante do bando já estava preso por roubo e também foi indiciado por tráfico e associação para o tráfico. Eles foram denunciados pelo Ministério Público.O grupo vendia drogas para amigos de escola e universidade e nas ruas, além de fornecê-las para festas e raves. O material era comprado nos Morros Dona Marta, em Botafogo (zona sul), e Jacarezinho (zona norte). A Operação Octógono - alusão a um ringue de Vale Tudo - teve a participação de 50 policiais da Delegacia Contra as Drogas (Dcod). A polícia investiga também a confecção de carteiras de identidade falsas pela quadrilha. Há duas semanas, um jovem de 17 anos morreu com sintomas de overdose numa rave, onde entrou com carteira falsa.A maior parte dos presos mora em endereços caros da zona sul, como as Ruas Fonte da Saudade, na Lagoa, e Cupertino Durão, no Leblon. Um deles, Pedro Paulo Farias David, de 23 anos, foi preso dentro da sala de aula do curso de Administração da Faculdade Estácio, no Centro. Apenas o taxista Renato Magdalena, de 31 anos, que servia aos traficantes, foi detido no subúrbio, na Penha.A investigação durou cinco meses e começou com a infiltração de algumas policiais em raves e boates. A partir daí,a polícia começou a identificar integrantes do bando, fazer vídeos e grampear telefones - foram interceptadas 16 mil ligações, com autorização da Justiça.Uma das surpresas dos policiais foi com as palavras e expressões usadas pelos jovens, que se assemelham às dos gerentes do tráfico no subúrbio do Rio. O secretário de Segurança Pública, José Mariano Beltrame, disse ter ficado ainda mais assustado com a "juventude que a sociedade está produzindo". "Essa não é uma quadrilha de usuários, é uma quadrilha de traficantes. É um problema social que passa pela família, pelas amizades que levam os jovens ricos ao tráfico."O universitário Bruno Pompeu D? Urso, de 18 anos, fazia a compra das drogas. Também universitário, Rodrigo de Luca, de 19 anos, era seu sócio. Ainda integram o grupo Jessica de Albuquerque e Corrêa, de 18; Fábio Luiz da Silva, de 26; Mycon Scoralick, de 20; e Rafael Luiz Passos, de 19. Thiago Castilho Gama, de 24 anos, morador de Copacabana, já estava preso por roubo.Uma adolescente de 17 anos, portuguesa e namorada de Passos, foi levada para o Juizado Especial de Infância e Juventude e responderá em liberdade também ao processo por tráfico e associação para o tráfico. Segundo a polícia, minutos depois da prisão ela chegou a confessar para a mãe que vendia drogas na escola porque "tinha a cabeça fraca" e gostava de dinheiro.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.