Rio promove operação contra caos urbano

Um edifício de quatro andares com 34 unidades - entre lojas e moradias - demolido, mais de 40 toneladas de materiais irregulares apreendidas e 13 adolescentes e dois adultos levados para abrigos foram alguns dos resultados da operação de combate à desordem urbana, que começou ontem em 10 bairros do Rio. A iniciativa da prefeitura, chamada Choque de Ordem, contou com o apoio do governo estadual que disponibilizou policiais de diversas delegacias especializadas para apoiar os 1.500 agentes municipais."É uma operação para quatro anos. É uma postura de governo. No início tem de ter um choque de cultura maior para as pessoas entenderem que é bom para a cidade que as regras sejam cumpridas", disse o prefeito do Rio, Eduardo Paes (PMDB).A ação de mais impacto foi a demolição do prédio irregular de quatro andares na orla do Recreio dos Bandeirantes, na zona oeste. O edifício pertencia ao terceiro suplente de deputado federal do PSC, Marco Aurélio França Moreira, de 40 anos. Suspeito de chefiar a milícia da Favela Gardênia Azul, em Jacarepaguá (zona oeste), ele foi preso no ano passado por furto de energia elétrica e responde a processos por tentativa de homicídio e formação de quadrilha. "Foi uma arbitrariedade. Coloquei cartaz da campanha do prefeito no prédio, conseguimos votos e agora ele faz isso", disse Moreira, que assistiu à demolição em um flat de luxo em frente ao prédio irregular.No edifício, ele tinha uma padaria, cobertura com piscina e alugava 18 apartamentos e 14 lojas. Uma igreja evangélica também funcionava no local. De acordo com a prefeitura, Moreira vinha sendo notificado há três anos."Há um ano ouvíamos o burburinho que o prédio era irregular, mas ele não nos comunicou nada e fomos surpreendidos hoje", disse a dona de uma lanchonete no prédio demolido. De acordo com outros inquilinos, Moreira cobrava entre R$ 600 e R$ 2.500 o aluguel comercial e R$ 300 o residencial. Alguns inquilinos compraram os imóveis por R$ 100 mil.Em menos de seis horas o prédio foi demolido. A remoção dos escombros deve durar dez dias. Na Barra da Tijuca, bairro vizinho ao Recreio, 46 vans foram vistoriadas e 33 Kombis fiscalizadas. Seis veículos foram multados. Os fiscais apreenderam mercadorias diversas em oito estabelecimentos comerciais.Em Ipanema, no acesso ao Morro do Pavãozinho, a Guarda Municipal apreendeu 300 cadeiras de praia, 70 guarda-sóis, seis caixas de isopor, oito bicicletas e 23 carrinhos de mão. No mesmo bairro, quatro carros foram rebocados e 11 multados. Em Copacabana, nove lojas foram notificadas por irregularidades e dois carros rebocados. Na Tijuca (zona norte), cinco carros foram multados e outros cinco rebocados.Logo no início da operação, ao lado do Estádio do Maracanã, um morador de rua que improvisou uma barraca foi levado para um abrigo com dois menores.Em uma solenidade no início da tarde de ontem, no Palácio da Cidade, o prefeito disse que a manutenção da ordem na cidade é a prioridade de seu governo e uma das formas de a prefeitura ajudar o governador Sérgio Cabral (PMDB) a combater a criminalidade.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.