Rio quer responsabilizar pais de jovens da cracolândia

Nesta manhã, moradores de rua foram retirados de pontos de consumo de droga na zona norte da cidade

Tiago Rogero, estadão.com.br

15 de junho de 2011 | 10h45

RIO - Duas mulheres grávidas foram recolhidas na manhã desta quarta-feira, 15, durante operação para retirar moradores de rua da chamada "cracolândia" do Morro do Cajueiro e também de pontos de consumo da droga em Madureira, na zona norte do Rio de Janeiro. Ao todo, agentes da Secretaria Municipal de Assistência Social (Smas), policiais civis e militares recolheram 90 pessoas: 84 adultos e seis crianças e adolescentes.

Após a operação de hoje, o secretário de Assistência Social, Rodrigo Bethlem, e a titular da Delegacia de Proteção à Criança e ao Adolescente (DPCA), Valéria Sadio, anunciaram que vão buscar a responsabilização criminal dos pais das crianças que forem encontradas nas cracolândias. Assim, eles poderão responder criminalmente por abandono "material e intelectual de seus filhos".

Segundo a Smas, os agentes enfrentaram resistência durante a ação e precisaram contar com o apoio policial. "Um educador social levou uma cabeçada de um homem retirado da rua, mas a polícia interveio e conseguiu conter o cidadão", informou. Há cerca de 15 dias, durante operação semelhante na Favela do Jacarezinho, também na zona norte, duas granadas foram arremessadas contra os profissionais. Os artefatos explodiram, mas ninguém ficou ferido.

De acordo com a Smas, após identificação na polícia, todos os recolhidos serão conduzidos para unidades da rede socioassistencial. No caso das crianças e adolescentes, há também uma análise feita por médicos e psicólogos para avaliar a necessidade de "internação compulsória". Se detectada a dependência química, o jovem será mantido na unidade da Smas mesmo contra a vontade dele ou do familiar. A operação de hoje foi a 13ª, desde 31 de março - a segunda no Cajueiro. No total, 932 pessoas foram recolhidas: 747 adultos e 185 crianças e adolescentes.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.