Rio tem 18 mil imóveis em áreas de risco, revela mapeamento

Estudo a pedido da prefeitura achou 21 mil moradias em locais perigosos, mas 3 mil foram reformadas

Solange Spigliatti, Central de Notícias

06 de janeiro de 2011 | 13h20

SÃO PAULO - Cerca de 18 mil imóveis localizados em 117 comunidades da cidade do Rio de Janeiro estão em áreas consideradas de alto risco de deslizamentos, de acordo com estudo da Fundação Geo-Rio, divulgado nesta quinta-feira, 6.

 

Veja também:

linkMP vai investigar desabamento que matou três pessoas em Petrópolis

 

De acordo com a Prefeitura, o mapeamento, feito antes das chuvas de abril do ano passado, chegou a computar 21 mil moradias em risco. Após obras de contenções feitas em encostas, pelo menos três mil imóveis saíram das áreas de risco para deslizamentos.

 

O mapeamento geotécnico foi feito pela primeira vez no Rio usando tecnologias modernas, como levantamento a laser do terreno e ortofotos. Ao todo, foram vistoriados 13,02 quilômetros quadrados (1.302 hectares), dos quais 30% foram considerados áreas de alto risco. Foram mapeadas as encostas localizadas no Maciço da Tijuca e adjacências, abrangendo 52 bairros de todas as regiões da cidade.

 

Segundo a Prefeitura, a próxima etapa será a elaboração de projetos de obras específicas para cada comunidade em risco. Em 2010, pelo menos 47 dessas comunidades listadas passaram por obras de contenção de encostas e urbanização, além de parte dos moradores ter sido reassentada através do aluguel social e de unidades do "Minha Casa, Minha Vida".

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.