Rio tem 19 mortes causadas por chuvas no Estado

Entre as mortes, dez foram registradas em bairros da Zona Norte do Rio, cinco delas em Jacarepaguá

Irany Tereza, da Agência Estado,

31 de dezembro de 2009 | 12h41

Até as 15h desta quinta-feira, 31, foram confirmadas 19 mortes no Estado do Rio em consequência das chuvas. Nove pessoas ficaram feridas em desabamentos e deslizamento de terra. O balanço preliminar da Defesa Civi aponta ainda 544 desabrigados e 95 desalojados. A cidade do Rio permanece em estado de alerta por conta da previsão de mais chuvas até amanhã.

 

Bombeiros removem corpo de vítima das chuvas de casa no Rio de Janeiro. Fabio Motta/AE

 

Entre as mortes, dez foram registradas em bairros da Zona Norte do Rio, cinco delas em Jacarepaguá, onde o desabamento de uma casa vitimou uma família inteira. As outras quatro mortes foram registradas em Magé e Belford Roxo, municípios da Baixada Fluminense. Há registro de inundações em outros municípios da Baixada e do interior do Estado.

 

Resgate

 

A menina Marina Vera dos Passos, de 3 anos, foi resgatada com vida dos escombros da casa em que morava com a família no bairro Quintino, na zona norte do Rio. Ferida, ela foi levada para o Hospital Municipal Salgado Filho, no Meier.

 

A criança, que ficou soterrada até pouco antes das 11h, foi protegida por uma viga de laje pré-fabricada. Ela sofreu uma fratura no fêmur esquerdo e seu estado de saúde é cosiderdo gave. Um deslizamento de terra atingiu o imóvel, em área de risco, e provocou seu desabamento por volta da 3h.

 

A mãe de Marina, Ana Martins Veras, de 35 anos, conhecida como Diana, morreu no local. O pai da criança, o estoquista Mário Jorge dos Passos, de 39 anos, foi resgatado com fraturas múltiplas por volta 8h30. Foi levado para o hospital Salgado Filho em estado gravíssimo, com esmagamento das pernas, e faleceu na tarde desta quinta-feira.

 

Previsão

 

Em Copacabana, onde será realizada a principal queima de fogos do réveillon carioca, e nos demais bairros da Zona Sul, não há muitos pontos de alagamento. Não há ainda um balanço definitivo sobre o número de vítimas.

 

 

O Aeroporto Santos Dumont fechou por uma hora para pousos e decolagens, mas agora funciona normalmente.

 

Segundo previsão do Climatempo, as chuvas permanecerão durante o dia, mas devem perder intensidade já de noite, devido à entrada de uma frente fria com ventos de origem polar. O instituto diz que a possibilidade de chuva na hora da virada é alta.

 

Até agora, Ilha do Governador (106 mm), Penha (96,6 mm), Bangu (95,2mm), Tanque (91,2 mm) e Medanha (160,8 mm) estão entre os pontos de maior incidência de chuvas na cidade do Rio.

 

Atualizada às 15h30 para acréscimo de informações

Mais conteúdo sobre:
riochuva

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.