Rio terá delegacia para roubo de celulares

A partir de janeiro, o Rio terá uma delegacia para investigar o roubo de telefones celulares - crime que vem crescendo no Estado e que já chega a mil casos por mês. A polícia investiga se funcionários e ex-técnicos das operadoras de telefonia celular estariam reabilitando aparelhos roubados e os revendendo no mercado clandestino."Isso é um trabalho que só pode ser feito por técnicos", afirmou o delegado Marcos Reimão, diretor da Coordenador de Recursos Especiais da Polícia Civil (Core). Existe a suspeita de que os fraudadores teriam acesso à Lista Nacional de Celulares Roubados e dela retirariam os números a serem recolocados no mercado. E ainda que os aparelhos seriam desmontados para que suas peças sejam aproveitadas no conserto de outros regularizados. O camelódromo da Rua Uruguaiana, no centro do Rio, é um dos pontos que será inspecionado pelos policiais. Lá existiriam barracas que vendem celulares roubados. Para Marcos Reimão, a Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) deveria fiscalizar mais as operadoras. "O controle sobre as empresas não é suficiente", disse.A criação da Delegacia de Defesa de Serviços Públicos e Concedidos foi anunciada pelo secretário de Estado de Segurança Pública, coronel Josias Quintal. A unidade policial vai apurar ainda casos de adulteração de combustível e roubo de energia elétrica.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.