Rio terá mais de 1.500 agentes para atuar em áreas vulneráveis

Profissionais realizarão ações em situações como alagamentos e deslizamentos de encosta

estadão.com.br,

12 de dezembro de 2011 | 13h58

SÃO PAULO - A cidade do Rio passará a ter mais 1.566 agentes que serão responsáveis por realizar as primeiras ações em situações como chuvas, alagamentos, deslizamentos de encosta e risco de desabamentos. A formatura deles ocorre nesta terça-feira, 13, na Praça da Apoteose.

Segundo a Defesa Civil do Rio, eles integrarão o sistema de alerta comunitário, que conta com um meio de comunicação integrado, utilizando aparelhos celulares cedidos pela prefeitura para a troca de mensagens. Os telefones recebem SMS (torpedos) com alertas em caso de ocorrências de chuvas, permitindo a comunicação entre todos os integrantes.

Os novos agentes fazem parte do Programa de Saúde da Família e estão distribuídos em 245 Núcleos Comunitários de Defesa Civil (Nudecs), de 116 unidades de saúde em toda a cidade. Por já estarem inseridos nas comunidades, possuem maior conhecimento da região e dos moradores, agindo, assim, com facilidade nas operações de ajuda, seja informando ou alertando a população. Além disso, os agentes atuarão como multiplicadores, repassando os alertas e orientações da Defesa Civil para os moradores das localidades onde atuam. A Defesa Civil já capacitou em 2010 e 2011 um total de 3.450 agentes comunitários de Saúde, que atuam em 569 Nudecs.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.