Rio teve o ano mais violento desde 1998

O ano de 2002 deverá ser o mais violento desde 1998 no município do Rio, segundo análise de dados da Secretaria da Segurança Pública feita por pesquisadores do Instituto Pereira Passos, da Prefeitura. O estudo considera apenas os casos de homicídios dolosos (intencionais) ocorridos na cidade. Foram registrados 2.031 homicídios de janeiro a setembro de 2002 ? último dado disponível ?, ante 1.788 no mesmo período do ano anterior, um aumento de 13,6% em termos absolutos. O índice por grupo de 100 mil habitantes cresceu, no período, de 40,9 casos, em 2001, para 45,13, este ano.Em 1998, último ano do governo Marcello Alencar (PSDB), a taxa ficara em 38,1 homicídios por cem mil habitantes. No ano seguinte, já sob a administração de Anthony Garotinho, hoje no PSB, o índice subiu para 40,7. Em 2000, saltou para 43,5. O chefe de Polícia Civil, delegado Zaqueu Teixeira, afirma que o crescimento verificado em 2002 não pode ser creditado a Benedita da Silva (PT), que assumiu o governo em 5 de abril, quando Garotinho renunciou para disputar a Presidência. ?Só tivemos nove meses de gestão. Além disso, no período de transição tradicionalmente os índices sobem. Nós tomamos medidas visando fazer com que houvesse efetiva operação técnica. Mas não há como ter um resultado imediatista?, disse Teixeira.O sociólogo e pesquisador Ignácio Cano, professor da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj), afirma que ?não será nenhuma surpresa? se os números dos últimos três meses do ano confirmarem, como indica o estudo da prefeitura, que 2002 será o mais violento dos últimos cinco anos na cidade. Para ele, a fase de transição de governo foi ?crítica? e contribuiu para a explosão dos homicídios este ano. ?Março, abril e maio foram muito ruins. Depois, houve certa desaceleração. Não será nenhuma surpresa se 2002 for o mais violento desde 1998?, disse Cano. Somente em abril, mês mais violento do ano, houve 295 homicídios na capital.De acordo com o estudo da prefeitura, a área mais crítica do Rio é a zona oeste, com taxa de 60 homicídios por 100 mil habitantes. Na zona sul, área considerada nobre, o índice é cinco vezes menor: 12 casos por 100 mil habitantes ? o mais baixo da cidade. O estudo mostra que a taxa caiu 60% nos últimos dez anos nesta área da cidade, onde está concentrada a renda e o policiamento ostensivo. Os índices de criminalidade referentes aos meses de outubro e novembro deste ano deverão ser divulgados na próxima semana, de acordo com a Secretaria da Segurança Pública do Estado.

Agencia Estado,

23 de dezembro de 2002 | 13h52

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.