Rio Tietê terá mais 48 km de navegação turística

Aos poucos, o Rio Tietê vai recuperando suas condições de navegabilidade mesmo nos trechos mais poluídos. Depois da inauguração do sistema hidroviário da Grande São Paulo, há 9 dias, como parte do Projeto Tietê, o secretário estadual de Turismo, Fernando Longo, assina na terça-feira um termo de cooperação com prefeituras da região do Médio Tietê para a navegação turística em mais 48 km do rio. O novo trecho navegável irá de Salto a Porto Feliz, na região de Sorocaba, recuperando antiga rota desbravada pelos bandeirantes.O trânsito de barcos depende ainda de algumas obras de derrocagem - retirada de pedras - no leito do rio, mas os estudos, realizados pela Faculdade de Tecnologia (Fatec) de Jaú, concluíram que o projeto é viável. "Apesar de ainda ser poluído, o rio corta uma região de grande beleza cênica e rica em vegetação e fauna", disse o prefeito de Salto, Geraldo Garcia (PDT), defensor entusiasta da navegação e idealizador do projeto. As prefeituras de Itu e Porto Feliz são parceiras.Segundo Garcia, o trecho poderá ser percorrido em cerca de duas horas por embarcações de porte médio. O plano é integrar no passeio cerca de 40 antigas sedes de fazendas existentes na região, que serviriam como pousadas para os turistas. "A idéia é fazer do turismo no rio um novo ingrediente para a economia da região", disse Garcia. O problema da poluição logo estará superado, acredita, com o avanço do projeto de saneamento do rio na capital. O projeto, com assessoria do Sebrae, prevê a participação da iniciativa privada.O prefeito acredita que o próximo passo será incorporar o trecho entre Porto Feliz e Conchas, integrando a navegação turística à Hidrovia Tietê-Paraná, que tem início nesse município. "Teremos, então, todo o Tietê navegável, a partir de São Paulo." Ele imagina ser possível, em futuro próximo, sair de barco da Marginal Tietê, na Capital, para um passeio até o Lago de Itaipu, no Paraná.A Fatec de Jaú desenvolveu protótipos de barcos próprios para a navegação em rios com as características do Tietê. No passado, o rio foi a rota utilizada pelos bandeirantes para desbravar o interior do País. A maioria das monções - grandes expedições dos bandeirantes - partia de Porto Feliz, mas muitas já se aventuravam no rio a partir de Salto, deitando os barcos logo depois da cachoeira que dá nome à cidade.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.