RJ: despoluição de praias começa em março

O governo do Estado do Rio de Janeiro promete, para o próximo verão, a liberação do banho das praias do Leblon e de São Conrado, poluídas há décadas. O secretário estadual de Meio Ambiente, André Corrêa, anunciou ontem duas obras, orçadas em R$ 11,5 milhões, que visam acabar com a contaminação das praias por línguas negras, formadas por detritos das favelas da Rocinha e do Vidigal, e também por ligações clandestinas de esgoto. As obras estão previstas para começar na segunda quinzena de março e durar pelo menos oito meses. Os recursos sairão do Fundo Estadual de Conservação Ambiental (Fecam). André Corrêa ressaltou que as obras só impedirão o escoamento de detritos para as praias em dias sem chuvas. "A água da chuva ´lava´ as encostas; não há como evitar a poluição. Por isso não recomendamos o banho de mar 24 horas depois da chuva", disse Corrêa.Para limpar a praia de São Conrado será construída uma galeria de cintura de cerca de três quilômetros, duas estações elevatórias e uma de tratamento de esgoto. A galeria vai impedir que a água com detritos das favelas chegue à praia, encaminhando-a para a estação de tratamento, de onde será liberada para o mar. O custo será de R$ 7,9 milhões.O Leblon deverá ficar limpo depois de instalada uma comporta automática no canal da Rua Visconde de Albuquerque, que vai evitar que o esgoto, proveniente das ligações clandestinas do bairro, seja despejado na praia. A água do canal será bombeada até o emissário de Ipanema, onde será tratada. Para a limpeza do Leblon, serão gastos R$ 3,7 milhões. A vencedora da licitação para a realização das duas obras foi a Norberto Odebrecht.Em setembro do ano passado, a Companhia Estadual de Águas e Esgotos (Cedae) anunciou que obras, no valor de R$ 16,4 milhões, iriam despoluir as praias do Leblon e de São Conrado, acabando com o despejo clandestino de esgoto nas duas áreas e levando os detritos diretamente ao emissário de Ipanema.Na ocasião, o diretor de esgotos da Cedae, Evandro Brito, afirmou que as duas praias estariam limpas já neste verão. Atualmente, ambas continuam sem condições de balneabilidade. Hoje, a Cedae informou que parte das obras já está concluída, mas ressaltou que o crescimento desordenado das favelas faz com que a quantidade de esgoto aumente, tornando insuficientes as caixas coletoras de detritos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.