Rocinha protesta contra violência policial

Moradores e parentes dos três adolescentes mortos há uma semana na favela da Rocinha por policiais militares fizeram neste domingo mais um protesto contra a violência policial antes da realização da missa de sétimo dia em memória das vítimas. O presidente da Comissão de Direitos Humanos da Câmara dos Deputados, deputado federal Chico Alencar (PT) e o deputado estadual Alessandro Molon participaram do ato. Cerca deduzentos manifestantes vestidos de branco seguiram em caminhada com camisetas faixas e cartazes pedindo justiça da Igreja Nossa Senhora da Boa Viagem, no alto da favela, até a Igreja de Nossa Senhora Aparecida, na parte inferior, onde foi realizada a missa.Os parlamentares já tinham ido à favela na última sexta-feira paraouvir o relato dos parentes de Jean Alexandre de Campos, de 13 anos, Leandro Santos da Silva, de 16 anos, e Linike Ferreira Madeira, de 17. Eles foram mortos por policiais do Batalhão de Operações Especiais (Bope) da PM quando voltavam de um baile funk. Segundo a polícia, eles seriam traficantes e resistido à prisão. Também participaram do encontro parentes de Marcelo Rodrigues da Silva, único sobrevivente que continua internado no Hospital Miguel Couto.Os parentes dizem que os jovens não tinham ligação com o tráfico dedrogas. O secretário de Segurança Anthony Garotinho suspendeutemporariamente ações do Bope na favela. Defendendo a punição dospoliciais, o deputado Alessandro Molon quer confirmar algumas dasversões contadas por moradores, como a de que policiais do Bope ainda tentaram remover com uma faca uma bala da perna de um dos adolescentes para eliminar provas. ?Todos os depoimentos e informações indicam que houve uma execução. Algumas testemunhas disseram que eles imploraram aos policiais para não serem mortos?, disse o deputado, que espera ter as circunstâncias do crime esclarecidas com o laudo cadavérico que deve sair em trinta dias.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.