Rodízio de água no ABC paulista não tem prazo para terminar

Não há previsão de quanto tempo vai durar a redução no fornecimento de água da Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp) para as cidades de Diadema, São Bernardo do Campo e Santo André, na Grande São Paulo. Esse diagnóstico, da assessoria da Sabesp, confirma a avaliação de técnicos da empresa e contraria a previsão do vice-presidente de produção de água da estatal, Antônio Marsiglia Neto, de que o racionamento provocado pela diminuição do volume de água distribuído às três cidades pode durar até 15 dias.A assessoria da Sabesp explicou hoje que Marsiglia, ao mencionar essa previsão na segunda-feira, baseou-se apenas numa expectativa, tomando por base o fato de que "crises mais agudas" no abastecimento costumam durar 15 dias.O diretor de operação da companhia de Saneamento de Diadema (Saned), Jorge Massuyama, também recebeu da Sabesp a explicação de que não há prazo para a normalização do abastecimento. Hoje, foi iniciado em Diadema um racionamento de dois dias com água e um dia sem. A cidade, de 358 mil habitantes recebe da Sabesp 800 litros por segundo, ante uma necessidade de 1.100 litros.Em São Bernardo do Campo o racionamento (de dois dias com água e um sem) começou na segunda-feira. Para a distribuição da água, em forma de rodízio, os bairros foram agrupados em três blocos. A cidade tem população estimada oficialmente em 750 mil habitantes.O que levou à diminuição do volume de água distribuído foi a proliferação de algas no sistema Rio Grande, braço da represa Billings que abastece as três cidades. O fenômeno, detectado na semana passada, tem relação com o nível de poluição do manancial.Santo André é a cidade menos afetada, porque não tem racionamento, mas 130 mil moradores (de um total de 650 mil) sofrerão períodos de falta de água que não devem ultrapassar 12 horas.A cabeleireira Elizabeth Moreira dos Santos, de 32 anos, que mora em Diadema, reclamou do gosto da água. "Está terrível." O mau gosto é uma das conseqüências das algas. A família dela tem usado água mineral para beber.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.