Rodoanel de SP não vai mais passar pela Serra da Cantareira

O Rodoanel não vai mais passar pela Serra da Cantareira. A decisão foi tomada na noite de ontem, numa reunião entre o governador Geraldo Alckmin e o secretário estadual dos Transportes, Dario Rais Lopes. "Não desistimos do trecho norte, mas queremos estudar alternativas de traçado que preservem a Cantareira", disse Lopes. De acordo com o secretário, o governador tem "séria preocupação em fazer o empreendimento de forma equilibrada e pediu esse equilíbrio". "Não adianta ficar forçando uma situação. Muitos apontaram restrições. Então é melhor parar um pouco, pensar e apresentar algo mais compatível." A decisão evita mais desgaste político a Alckmin. A polêmica do empreendimento é grande e já rendeu ações do Ministério Público Federal e de ambientalistas contra a obra, que está em processo de licenciamento ambiental, além de posições contrárias ao traçado de órgãos do próprio governo. Hoje, o secretário enviou um pedido oficial à Secretaria do Meio Ambiente, que avalia o licenciamento ambiental, para que não sejam consideradas nessa fase as alternativas de traçado do trecho norte. Elas seriam apresentadas posteriormente. Porto"Mas queremos continuar o processo no sul e no leste, com a realização das audiências públicas." Os três trechos do anel viário estão sendo licenciados juntos por determinação da Justiça. O oeste, que teve processo em separado, já foi aberto à circulação de veículos no ano passado. O Estado tem especial interesse no tramo sul, que possibilitaria o acesso, pelas Rodovias Anchieta e Imigrantes, para o Porto de Santos, no litoral paulista. Isso facilitaria o escoamento de carga. Essa gestão já admitiu que não deve executar mais do que esse trecho. Os demais ficariam para as próximas. O trecho sul ainda deve ser palco de atritos com ambientalistas, porque passa por áreas como as das Represas Billings e Guarapiranga. Prefeitos, principalmente do Grande ABC, já têm apresentado vários pedidos de alteração no plano original. Anel"Nós temos dois compromissos neste momento: que será um anel e preservará a Cantareira", prometeu o secretário dos Transportes. Ele não quis, porém, revelar qual será o novo traçado ao norte. "Não quero criar expectativas e ainda estamos numa fase preliminar." Mas há uma certeza: ficará bem mais distante da proposta defendida pelo governo até agora, que atravessava a serra, vários cursos de água e passava na área de captação da Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp), na Represa Paiva Castro. Provavelmente vários quilômetros. "Ainda não definimos qual será o novo traçado. Mas não vai encarecer o projeto, porque vamos usar equipe interna", disse Lopes. O secretário afirmou ainda que não sabe se a obra ficará mais cara por conta das alterações. "A nova solução vai ter um reflexo, pode ser para mais ou para menos, dependendo da área atingida." Ele espera concluir o licenciamento ainda no primeiro semestre deste ano. "Se tudo correr bem, poderíamos dar início à obra em 2004, mais para a metade do ano. Depende da licitação, que é enorme", explicou. E do licenciamento, cujas audiências já foram desmarcadas várias vezes este ano. A orientação de retirar o trecho norte do licenciamento com a antiga configuração e apresentar depois novo traçado partiu da própria Secretaria Estadual do Meio Ambiente.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.