Rodovia Castelo Branco tem o pior acidente de sua história

Três acidentes, envolvendo 27 veículos, entre os quilômetros 82 e 89 da Rodovia Castelo Branco, deixaram 12 pessoas mortas - e não 14, como divulgado anteriormente -, 13 gravemente feridas e 12 com ferimentos leves nesta madrugada, em Sorocaba (SP). A causa do acidente, de acordo com Polícia Rodoviária Estadual, foi a forte neblina. Onze pessoas morreram no local, entre elas seis policiais militares do Batalhão de Bauru. A menina Daiane Cristine Godoy Nicoline, de 11 anos, que estava sendo levada para o Incor, em São Paulo, onde iria ser operada do coração, foi levada com vida ao Hospital Regional de Sorocaba, mas não resistiu. O acidente foi o mais grave da história da rodovia, inaugurada no final da década de 60, segundo policiais rodoviários.As duas pistas foram interditadas. Visto do alto, aquele trecho da rodovia parecia um cenário de guerra.De acordo com os policiais que estavam no local, o primeiro acidente aconteceu às 5h25 na pista capital-interior do quilômetro 82 da Castelo Branco. Um caminhão que carregava areia foi fechado por outro caminhão. Ao perder o controle, a carreta do caminhão se soltou e uma ambulância que vinha atrás entrou em baixo. Nesse local, duas pessoas morreram na hora, e Daiane ainda foi socorrida. O motorista que teria fechado o outro caminhoneiro teria fugido sem prestar socorro.Na seqüência, na pista sentido capital-interior, já no quilômetro 89, um Voyage bateu em um outro caminhão por causa da forte neblina. "A neblina estava muito pesada", disse o tenente da Polícia Rodoviária Gilberto de Almeida Bento Dias. "No Voyage havia duas mulheres, uma delas grávida, e uma criança. Todos morreram carbonizados." Segundo o policial, o Voyage explodiu e começou a pegar fogo. A fumaça negra mais a neblina teriam causado o engavetamento de diversos carros na outra pista - sentido interior-capital -, onde foi registrado o maior número de batidas, mortos e feridos. "Era a neblina, a fumaça e as pessoas foram diminuindo a velocidade e aconteceu o engavetamento", disse o tenente. "Isso aqui (a estrada) ficou um bolo total de carros." Ao todo, participaram do acidente 13 caminhões, 4 carretas e dez carros.De acordo com testemunhas que estavam no local na hora do acidente, a visão não chegava a dez metros. "Quando você via a coisa já estava em cima de você. Isso foi uma loucura", disse o caminhoneiro Agnaldo José Pereira dos Santos, de 29 anos, que ficou levemente ferido. Os feridos foram levados pelos bombeiros, carros da polícia e carros particulares para o Hospital Regional de Sorocaba, Santa Casa de Itu e Santa Casa de Tatuí. Entretanto, muitas vítimas com ferimentos leves se recusaram a ir para os hospitais da região. O congestionamento na pista interior-capital, onde ocorreram os acidentes, estendeu-se até o quilômetro 99. Nesse local, o trânsito foi desviado para Sorocaba pela Rodovia Emerenciano Prestes de Barros. A carga de vários caminhões espalhara-se pela pista. Um carro estava em chamas. A fumaça se misturava com a neblina. Muitos motoristas faziam manobras arriscadas, seguindo pela contramão, na tentativa de escapar do congestionamento. Às 8h30, quatro veículos do Corpo de Bombeiros e duas ambulâncias da concessionária Rodovia das Colinas faziam o resgate de vítimas. A estrada foi sinalizada nos dois sentidos. Os carros que seguiam para o interior pegavam a saída do km 79 em direção a Itu ou Sorocaba. A pista capital-interior foi liberada parcialmente três horas depois. A pista contrária, a mais afetada, continuou interditada até as 11h30.Após o acidente, moradores da região saquearam parte das cargas que estavam espalhadas pela pistas. Alguns saqueadores, que vinham de bicicleta para o local, chegaram a discutir com os policiais. "Tá todo mundo levando, eu também vou levar", disse um homem que estava saqueando açúcar, pão e caixas de madeira, que não quis se identificar. Alguns moradores da região levaram carrinhos de mão e pá para recolherem a areia de um caminhão tombado. Ninguém foi preso.O secretário adjunto de Estado da Saúde, Luiz Roberto Barradas Barata, disse que o Estado reforçou a equipe de atendimento do Instituto Médico Legal de Sorocaba para agilizar o atendimento e liberação dos corpos das vítimas.Os mortosÉ a seguinte a relação dos mortos nos três acidentes, segundo a polícia:Alci Gonçalves de Oliveira, 72 anos, 1º sargento reformado, morador de Iacanga (SP);João Antunes Filho, 1º sargento reformado, morador de Bauru (SP);Paulo Henrique Domingues, 46, cabo da PM, morador de Bauru (SP);Antonio Henrique Daniezi, 48, soldado da PM de Bauru;Anderson Mesquita da Silva, 23, soldado da PM de Jaú, morador de Barra Bonita;Rudmar de Oliveira Camargo, 47, motorista e soldado da PM de Bauru.Rosa da Silva Lins, 47, moradora de São Paulo;Maria Aparecida da Silva, 29, moradora de São Paulo;Vinícius da Silveira Barreto, 3 anos, morador de São Paulo;Daiane Cristine Godoy Nicoline, 11 anos, moradora de Sabino (SP);José Cesário Vasconcelos, 45, motorista de Quatá (SP);Paulo César Souza Perpétuo, 60, morador de Bauru.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.