Rompimento de barragem pode ter matado mais de 20

Com o rompimento da barragem de Camará, localizada sobre o rio Mamanguape, no município de Alagoa Nova, a 140 quilômetros de João Pessoa, ontem à noite, causando mortes e destruição, a situação é crítica nas cidades de Alagoa Grande e Mulungu, e pode piorar por conta das chuvas que não param de cair em toda a região. Há previsão de chuva durante o final de semana. Até às 19h, segundo a Polícia Militar da Paraíba, seis pessoas eram dadas como mortas. O Corpo de Bombeiros confirmou as mortes dos aposentados José Pedro Soares, 70 anos, e Palmira Rocha da Silva, 83 anos, e do músico do músico Wellington Sobral. Segundo a PM, há mais de 20 desaparecidos. A barragem tinha capacidade para 27 milhões de metros cúbicos de água e estava com quase 65% de sua capacidade. As fortes chuvas que caíram na região, nos últimos dias, elevaram o nível do rio Mamanguape, contribuindo para o rompimento da barragem. O governador Cássio Cunha Lima (PSDB) responsabiliza o ex-governador José Maranhão (PMDB) pelo rompimento da barragem.Segundo o governador, a obra foi mal projetada e mal construída. O ex-governador José Maranhão negou as acusações e disse que não admite o uso político da tragédia. O ministro da integração Nacional, Ciro Gomes, esteve em Alagoa Grande. Ele sobrevoou a cidade para ter uma idéia da destruição e garantiu que o governo federal vai liberar recursos para a reconstrução de Alagoa Grande e Mulungu. O impacto do rompimento da barragem de Camará foi tão grande, que uma ponte inteira foi levada pelo rio Mamanguape. Aponte ligava Alagoa Grande à cidade de Areia e tinha mais de 100 anos. Os moradores dizem que ouviram um estrondo, seguidode uma espécie de avalanche. Alagoa Grande e Mulungu ficaram sem água, luz e telefone. O desespero tomou conta dos moradores. De acordo com o prefeito de Alagoa Grande, Hildon Régis, mais de 200 casas foram destruídas, deixando entre 600 e 700 pessoas desabrigadas nas partes baixas da cidade. O prefeito de Mulungu, Achilles Leal, disse que a cidade ficou completamente inundada e que mais de mil pessoas estão desabrigadas. Outras cidades localidades próximas ao rio Mamanguape, a exemplo de Araçagi e Alagoinha, por exemplo, foram afetadas pelo rompimento da barragem Camará. Muitas famílias perderam suas casas. O comércio da Alagoa Grande foi todo atingido pela água. Segundo o prefeito, os prejuízos são incalculáveis. Muita gente passou o dia tentando recuperar objetos no meio da lama e dos destroços. Os desabrigados foram levados paraprédios públicos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.