Rompimento de reservatório atinge cinco casas em Pocinhos, no interior da Paraíba

Pelo menos 14 pessoas ficaram desabrigadas e quatro foram socorridas ao Hospital de Emergência e Trauma de Campina Grande. Nenhuma delas corre risco de morrer

Ricardo Araújo - Especial para o Estadão

O rompimento da parede de um reservatório público de água, comumente chamado de tanque no interior do Nordeste, provocou a destruição de cinco casas na cidade de Pocinhos, distante 120 quilômetros de João Pessoa (PB). Pelo menos 14 pessoas ficaram desabrigadas e quatro foram socorridas ao Hospital de Emergência e Trauma de Campina Grande. Nenhuma delas corre risco de morrer. Não há informações sobre a capacidade de armazenamento do reservatório e quanto ele acumulava no momento da ruptura da estrutura de contenção.

As construções atingidas ficam no Bairro do Cajueiro. O tanque foi construído entre as décadas de 1960 e 1970 pela prefeitura municipal Foto: Sóstenes Murilo

As informações foram confirmadas pelo secretário de Infraestrutura e Meio Ambiente de Pocinhos, Sóstenes Murilo. "O tanque estourou por volta das 5h de hoje (quarta-feira). Parecia coisa de filme de terror. A parede do tanque estourou, não aguentou a pressão e toda a água acumulada desceu e destruiu as cinco casas. Por Deus, ninguém morreu. Os atingidos foram resgatados e levados ao hospital. Estão todos estáveis, sem gravidade. Uma pessoa passou por cirurgia", detalha Sóstenes Murilo. 

Continua após a publicidade

Seu browser não suporta vídeos em HTML5

25/05/2022

As construções atingidas ficam no Bairro do Cajueiro. O tanque foi construído entre as décadas de 1960 e 1970 pela prefeitura municipal. "As casas destruídas eram antigas. As famílias atingidas foram abrigadas em uma escola municipal e a prefeitura de Pocinhos se encarregou da limpeza da área atingida e irá proceder com a reconstrução das casas", garantiu Sóstenes Murilo. Entre os feridos estão dois casais (um homem de 22 anos, uma adolescente de 17 anos, um homem de 56 anos e uma mulher de 51 anos). 

De acordo com a Agência Executiva de Gestão de Águas do Estado da Paraíba (AESA), o acumulado de chuvas na cidade de Pocinhos entre os dias 24 e 25 de maio é de 29,3 milímetros. O litoral do Nordeste tem registrado chuvas fortes nos últimos dias, o que é considerado incomum por especialistas. 

'A parede do tanque estourou, não aguentou a pressão e toda a água acumulada desceu e destruiu as cinco casas', narrou o secretário local Foto: Sóstenes Murilo

No Rio Grande do Norte, o Sistema de Monitoramento da Empresa de Pesquisa Agropecuária (Emparn), registrou fortes chuvas acompanhadas de trovoadas e descargas elétricas no litoral e interior. Nas regiões oeste, leste e Agreste foram registradas chuvas de até 100 milímetros. Em Natal, várias ruas ficaram alagadas e intransitáveis. 

O meteorologista chefe da Unidade de Meteorologia da Emparn, Gilmar Bristot, explica que as chuvas foram provocadas pelo aquecimento das águas superficiais do Oceano Atlântico que liberaram muita umidade para a atmosfera. 

“Mesmo com dois dias seguidos com chuvas no Estado, com a atmosfera fria, nós tivemos a ocorrência desse fenômeno incomum, chuvas intensas com o desenvolvimento de células convectivas muito próximas pela frequência de números de descargas elétricas observadas na noite de ontem e madrugada de hoje. Esse foi um fenômeno incomum acontecer no litoral na forma que aconteceu”, diz Bristot.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Rompimento de reservatório atinge cinco casas em Pocinhos, no interior da Paraíba

Pelo menos 14 pessoas ficaram desabrigadas e quatro foram socorridas ao Hospital de Emergência e Trauma de Campina Grande. Nenhuma delas corre risco de morrer

Ricardo Araújo - Especial para o Estadão

O rompimento da parede de um reservatório público de água, comumente chamado de tanque no interior do Nordeste, provocou a destruição de cinco casas na cidade de Pocinhos, distante 120 quilômetros de João Pessoa (PB). Pelo menos 14 pessoas ficaram desabrigadas e quatro foram socorridas ao Hospital de Emergência e Trauma de Campina Grande. Nenhuma delas corre risco de morrer. Não há informações sobre a capacidade de armazenamento do reservatório e quanto ele acumulava no momento da ruptura da estrutura de contenção.

As construções atingidas ficam no Bairro do Cajueiro. O tanque foi construído entre as décadas de 1960 e 1970 pela prefeitura municipal Foto: Sóstenes Murilo

As informações foram confirmadas pelo secretário de Infraestrutura e Meio Ambiente de Pocinhos, Sóstenes Murilo. "O tanque estourou por volta das 5h de hoje (quarta-feira). Parecia coisa de filme de terror. A parede do tanque estourou, não aguentou a pressão e toda a água acumulada desceu e destruiu as cinco casas. Por Deus, ninguém morreu. Os atingidos foram resgatados e levados ao hospital. Estão todos estáveis, sem gravidade. Uma pessoa passou por cirurgia", detalha Sóstenes Murilo. 

Continua após a publicidade

Seu browser não suporta vídeos em HTML5

25/05/2022

As construções atingidas ficam no Bairro do Cajueiro. O tanque foi construído entre as décadas de 1960 e 1970 pela prefeitura municipal. "As casas destruídas eram antigas. As famílias atingidas foram abrigadas em uma escola municipal e a prefeitura de Pocinhos se encarregou da limpeza da área atingida e irá proceder com a reconstrução das casas", garantiu Sóstenes Murilo. Entre os feridos estão dois casais (um homem de 22 anos, uma adolescente de 17 anos, um homem de 56 anos e uma mulher de 51 anos). 

De acordo com a Agência Executiva de Gestão de Águas do Estado da Paraíba (AESA), o acumulado de chuvas na cidade de Pocinhos entre os dias 24 e 25 de maio é de 29,3 milímetros. O litoral do Nordeste tem registrado chuvas fortes nos últimos dias, o que é considerado incomum por especialistas. 

'A parede do tanque estourou, não aguentou a pressão e toda a água acumulada desceu e destruiu as cinco casas', narrou o secretário local Foto: Sóstenes Murilo

No Rio Grande do Norte, o Sistema de Monitoramento da Empresa de Pesquisa Agropecuária (Emparn), registrou fortes chuvas acompanhadas de trovoadas e descargas elétricas no litoral e interior. Nas regiões oeste, leste e Agreste foram registradas chuvas de até 100 milímetros. Em Natal, várias ruas ficaram alagadas e intransitáveis. 

O meteorologista chefe da Unidade de Meteorologia da Emparn, Gilmar Bristot, explica que as chuvas foram provocadas pelo aquecimento das águas superficiais do Oceano Atlântico que liberaram muita umidade para a atmosfera. 

“Mesmo com dois dias seguidos com chuvas no Estado, com a atmosfera fria, nós tivemos a ocorrência desse fenômeno incomum, chuvas intensas com o desenvolvimento de células convectivas muito próximas pela frequência de números de descargas elétricas observadas na noite de ontem e madrugada de hoje. Esse foi um fenômeno incomum acontecer no litoral na forma que aconteceu”, diz Bristot.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Atualizamos nossa política de cookies

Ao utilizar nossos serviços, você aceita a política de monitoramento de cookies.