Ronaldo Esper culpa remédios pelo furto de vasos

O estilista Ronaldo Esper, de 62 anos, preso na semana passada acusado de furtar dois vasos de flores no cemitério do Araçá, falou publicamente pela primeira vez sobre o episódio no programa Superpop da Rede TV!, na quarta-feira à noite.Em entrevista à apresentadora Luciana Gimenez, Esper declarou que estava sob efeito de um remédio que toma contra depressão no dia do furto. ´Costumo ir ao cemitério para colocar flores´, disse o estilista. ´Estava sob efeito de um remédio que me dá uma sensação de que posso fazer tudo´, completou, constrangido.Ele apresenta o quadro Agulhadas no programa Superpop, em que crítica o modo de se vestir das celebridades.Durante o programa, Esper chorou ao lembrar de seus entes queridos e agradeceu as manifestações de apoio. Ele estava acompanhado de dois advogados. O estilista ficou preso por dois dias ao furtar dois vasos que dizia ser de sua tia. A pena para o crime varia de um a quatro anos de detenção.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.