Roseana decreta calamidade no MA

Chuvas deixaram 5 pessoas mortas no Estado; Defesa Civil informou que 13 mil pessoas estão desabrigadas

Rita Cirne e Wilson Lima, O Estadao de S.Paulo

30 de abril de 2009 | 00h00

A governadora do Maranhão, Roseana Sarney (PMDB), decretou na noite de ontem estado de calamidade pública, por causa das chuvas que já causaram cinco mortes. No Estado, 27 municípios estão em situação de emergência. As cidades mais atingidas são Pedreiras, Bacabal e Alto Alegre do Maranhão. As áreas mais afetadas ficam próximas do Rio Mearim, que está 10 metros acima do normal e sobe, em média, 30 centímetros por dia.De acordo com a Assessoria de Comunicação do Maranhão, 13.047 permanecem desabrigadas e 27 mil deixaram suas casas. No total, 83.087 pessoas foram atingidas. Segundo o superintendente técnico da Defesa Civil Estadual, sargento Benedito Monteiro Leite, a "progressão geométrica" do número de desabrigados e desalojados preocupa. A intensidade das chuvas tem atrapalhado a ajuda às vítimas. Anteontem, um avião da Aeronáutica desembarcou em São Luís com 115 toneladas extras de alimentos. Após a chuva de anteontem, a BR-222 no oeste do Estado e a MA-034, que dão acesso às cidades de Coelho Neto e Buriti de Inácia Vaz, foram interditadas. A BR-316, em Alto Alegre, e a MA-402, que liga a capital à região dos Lençóis Maranhenses, estão interditadas desde o fim de semana. Segundo o Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet), as chuvas na região devem enfraquecer hoje. "Se continuar chovendo, será complicado atender a todas as vítimas", admitiu o sargento Monteiro Leite.MAIS CHUVANo Piauí, a Defesa Civil informou que a chuva forte na madrugada de terça-feira atingiu 2.425 famílias. Os municípios de Barras, Batalha, Campo Maior, Esperantina, Ilha Grande, Luís Correia, Miguel Alves, Piracuruca e Santa Filomena decretaram situação de emergência. A previsão do tempo para o Estado é de chuvas moderadas a fortes em áreas isoladas, durante o fim de semana prolongado.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.