Rosinha admite rixa entre secretário e chefe da polícia civil

Enquanto os criminosos agem nas ruas do Rio, a crise na cúpula da segurança do Rio continua. Pela primeira vez, a governadora Rosinha Matheus (PSB) admitiu hoje que existe uma rixa entre o secretário de Segurança Pública, coronel Josias Quintal, e o chefe de Polícia Civil, delegado Álvaro Lins. Ontem à noite, Quintal afastou o diretor da Polinter, Jader Amaral, homem de confiança de Lins, e outros dois oficiais da PM.A governadora disse que, se os problemas entre o secretário e o chefe de Polícia atrapalharem as ações de combate à violência planejadas pelo governo, ela terá de tomar partido de um dos lados. "Desde que não atrapalhe o serviço e que cada um tenha maturidade de cumprir seu papel, discordância pode até haver. Ninguém é obrigado a concordar com tudo. Mas, se atrapalhar, eu vou ter que entrar para tomar uma decisão", afirmou. Questionada sobre qual decisão seria essa, ela respondeu: "Vou aguardar. Espero que isso passe."Ontem, durante reunião com policiais, Quintal reclamou do serviço de inteligência da Polícia Civil. Hoje o secretário interditou parte das instalações da Delegacia de Repressão a Entorpecentes (DRE), no centro, e aproveitou para alfinetar Lins mais uma vez. Disse que seria da responsabilidade do delegado ter providenciado novas instalações para uma delegacia tão importante quanto a DRE. A exoneração do diretor da Polinter, cuja motivação oficial foi vazamento de informações, é outro provável fator de desavença entre eles. Também foram afastados por Quintal o chefe do Estado Maior da PM, coronel Jorge Horsae, e o corregedor da corporação, coronel Hudson de Melo.Veja o especial:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.