Rosinha apóia o marido sobre a violência em São Paulo

A governadora do Rio de Janeiro, Rosinha Matheus (PSB), endossou neste sábado as declarações do marido e secretário de Segurança Pública do Estado, Anthony Garotinho, que na última sexta-feira, enumerou uma série de episódios de violência ocorridos em São Paulo. Rosinha disse que o secretário não "pregou mentira" e rebateu as críticas do governador Geraldo Alckmin (PSDB) às declarações de Garotinho. "Nós não estamos falando de nenhum fato que não ocorreu. Todos os fatos que o Garotinho apresentou foram verdadeiros e foram noticiados. Então, nós não estamos aqui para tampar o sol com a peneira do nosso Estado e nem de Estado nenhum", disse a governadora, que participou de um encontro evangélico em Belo Horizonte. Apesar de dizer que não estava promovendo um "bate-boca" público, Rosinha respondeu à referência feita pelo governador paulista ao traficante Fernandinho Beira-Mar. Ela disse que quando Garotinho era governador, Rio abrigou três criminosos da facção Primeiro Comando da Capital (PCC), a pedido de Alckmin. "Nós cuidamos (dos criminosos) para ajudar o governador de São Paulo numa ocasião em que ele estava muito preocupado com a questão da violência", afirmou Rosinha. "Quando o Fernandinho Beira-Mar foi para lá, não foi a pedido nosso. E na época que os bandidos do PCC foram para o Rio, foi a pedido do governador".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.