Rosinha fecha convênios para segurança com Thomaz Bastos

Após mais um fim de semana de violência, a governadora Rosinha Garotinho assinou nesta segunda convênios na área de Segurança com o ministro da Justiça, Márcio Thomaz Bastos, no Palácio Guanabara. Ambos, porém, se esquivaram da imprensa. A entrevista coube ao secretário nacional de Segurança Pública, Luiz Fernando Corrêa, e a seu equivalente no Estado, Marcelo Itagiba.O governo federal liberou R$ 9,1 milhões para o Rio, que até o fim do ano receberá mais R$ 7,2 milhões. Do total tornado disponível a partir desta segunda, R$ 4,5 milhões da União serão destinados a treinamento de policiais e atividades de inteligência. Outros R$ 4,6 milhões foram investidos na compra de carros para a polícia: 27 furgões e 18 caminhonetes das marcas Fiat, Nissan e Blazer. A contrapartida do Estado é de R$ 1,1 milhão. Parte da verba retida será usada para a instalação de um laboratório de identificação por DNA.Ao ser questionado sobre a possibilidade de o Rio, a exemplo do Espírito Santo, receber o apoio da Força Nacional de Segurança, Corrêa disse que a iniciativa deve partir do Estado. "Cada secretaria de Segurança sabe das suas demandas", declarou o secretário nacional. Ao perceber que o tema da entrevista havia mudado dos convênios para a onda de violência que assola o Rio, Itagiba ficou impaciente. "Viemos aqui para falar de convênio", reclamou. "Vou dar apenas uma declaração: A Secretaria de Segurança Pública do Estado do Rio tem sido, é e será parceira da Secretaria Nacional de Segurança e da Polícia Federal no combate ao crime".Citando números, Itagiba afirmou que o governo estadual tem combatido a criminalidade. "Prendemos 73 lideranças e 38 mil pessoas ligadas ao tráfico", argumentou. "A questão do tráfico de drogas não é local, é nacional e internacional", disse, encerrando a curta entrevista.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.