Rosinha não quer Beira-Mar no Rio

A governadora Rosinha Garotinho disse ontem que o presídio Bangu 1 tem condições de receber o traficante Luiz Fernando da Costa, o Fernandinho Beira-Mar. Ainda assim, ela não quer o criminoso de volta ao Estado. "Eu disse que Bangu 1 tem condições (de abrigar Beira-Mar), mas nós queremos entregar os (presos) que são de responsabilidade do governo federal a ele. A começar pelo Fernandinho Beira-Mar", disse Rosinha ontem."Eu acho muito estranho, pois quando o Fernandinho Beira-Mar veio para o Rio houve uma revolta muito grande, todo mundo falou que aquilo era um absurdo, e nós também achamos. Quando eu tiro daqui, uma parte da imprensa quer dizer que nós tiramos porque não tem condições, porque aqui é fraco, porque o presídio não tem segurança", reclamou Rosinha.Ela também afirma que seu marido, o ex-governador Anthony Garotinho, sempre foi contra a vinda de Beira-Mar para o Rio. "Até o Garotinho sair do governo, nós não permitimos que ele viesse para cá. Depois que o Garotinho saiu, ele veio e nós assumimos o compromisso de lutar para tirar ele daqui", disse a governadora.Governadora não reconhece falta de segurançaA falta de segurança em Bangu 1 - que deveria ser um presídio de segurança máxima - foi constata em diversas oportunidades, inclusive pelo Ministério Público, que classificou a unidade como o "escritório do crime organizado". De dentro de Bangu 1, por meio de celulares, a quadrilha de Beira-Mar gerenciava o tráfico de drogas, a compra de armas, ordenava execuções e atos de violência na cidade, além de supostamente ter negociado até a compra de mísseis, como foi registrado em telefonemas interceptados pela Polícia Federal. No dia 11 de setembro de 2002, Beira-Mar liderou uma rebelião em Bangu 1 que terminou com a morte de quatro presos, entre eles Ernaldo Pinto de Medeiros, o Uê.Rosinha, no entanto, enxerga a realidade de outra maneira. "Ele (Beira-Mar) ficou aqui esse tempo todo. Durante o governo Garotinho, nós ficamos com três bandidos da facção de São Paulo (PCC) quando teve toda aquela rebelião lá. E nunca tivemos problema. Agora, o lugar dele (Beira-Mar) não é aqui."Problemas continuamDepois de ter passado um mês no presídio de segurança máxima de Presidente Bernardes, em São Paulo, Beira Mar foi transferido na quinta-feira para a sede regional da Polícia Federal em Alagoas. Mas continua sendo uma dor de cabeça para autoridades federais e estaduais. De acordo com a PF, Beira-Mar, apesar de estar preso desde 2001, continua sendo um dos maiores traficantes do País.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.