Rosinha visita Petrópolis e promete R$ 200 mil

A governadora do Rio de Janeiro, Rosinha Matheus (PSB), visitou neste domingo a cidade de Petrópolis, na Região Serrana do Estado, onde dezessete pessoas morreram em decorrência das chuvas, e disse que o repasse de R$ 200 mil do Fundo da Defesa Civil do Estado à prefeitura, para obras de reconstrução da cidade e amparo às famílias atingidas pela tragédia, será feito esta semana. "O prefeito (Roberto Bontempo, do PSB) sabe que a situação do Estado do Rio é pior do que a da prefeitura de Petrópolis. Mas, à medida em que a gente puder e formos resolvendo o problema do Estado, vamos ajudando os municípios", afirmou Rosinha.Ela esteve na comunidade do Contorno, no quilômetro 81 da BR-040, área mais castigada pelo temporal. Lá morreram treze moradores, dez da mesma família, por causa do desmoronamento de quatro casas. O corpo da 17ª vítima foi encontrado no sábado à noite. Era Danielle Alexandrine Wayande de Almeida, de 22 anos, que estava soterrada no Contorno. Ela é mãe do menino Rayn Wayande, de dois, que estava internado e também morreu no sábado.Os corpos das vítimas, entre elas sete crianças, foram enterrados hoje de manhã. "Nessa hora, a gente tem que buscar é a solidariedade das pessoas porque ninguém está livre de passar por uma situação dessas", disse a governadora, que estava acompanhada do secretário de Estado de Defesa Civil, coronel Carlos Alberto de Carvalho, e de Ação Social, Fernando William, além do prefeito de Petrópolis.De acordo com o secretário de Defesa Civil, os recursos destinados a Petrópolis deverão ser aplicados na recuperação da comunidade do Contorno, no calçamento de mais de cem ruas e na reconstrução das pontes destruídas pela água. Cerca de 500 pessoas foram abrigadas em creches e também serão assistidas, segundo o coronel Carvalho. O presidente da Superintendência Estadual de Rios e Lagoas (Serla), Ícaro Moreno, vistoriou a região e determinou que técnicos da Serla comecem a analisar a estrutura dos rios Piabanha e Quitandinha, que transbordaram. Ele disse que serão feitas obras emergenciais para reconstruir dois trechos do muro do Rio Quintandinha. Ícaro Moreno afirmou que a ocupação desordenada às margens do Piabanha e os depósitos de lixo contribuíram para a tragédia na cidade.A prefeitura criou frentes de trabalho para limpar as ruas, cheias de lama por causa das quedas de barreiras ocorridas na madrugada de sábado. A Defesa Civil do Estado está na cidade para auxiliar nesse trabalho. O coronel Carvalho disse que os bombeiros estão de prontidão caso volte a chover. Na madrugada e durante o dia de ontem, caiu uma chuva fina sobre Petrópolis, mas não foram registrados deslizamentos.Na capital do Estado e na Baixada Fluminense, a chuva não fez vítimas, mas cerca de 18 mil pessoas ficaram sem luz durante o domingo. A zona oeste do Rio e municípios da Baixada foram os lugares mais atingidos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.