Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Estadão Digital
Apenas R$99,90/ano
APENAS R$99,90/ANO APROVEITE

Rota resgata bebê raptado em SP

Policiais militares das Rondas Ostensivas Tobias de Aguiar (Rota), do 1.º Batalhão de Choque, recuperaram, por volta das 21h30 de ontem, um bebê que havia sido seqüestrado de uma creche na zona leste de São Paulo. Luana Pantoja da Costa, de apenas 1 ano, foi raptada por T.A.S., 12, às 19h, da creche municipal Benedito Carvalho, localizada no Jardim Pernambuco, região do Iguatemi. Os policiais, sob o comando do tentente Castro, da viatura prefixo 91236, ao passarem em frente ao Largo São Mateus, ainda na zona leste, desconfiaram da menina que estava parada em um ponto de ônibus, sozinha, segurando um bebê. Mesmo inventando a história aos policiais de que uma mulher teria dado-lhe a criança para que a segurasse por alguns minutos enquanto fosse a uma padaria nas proximidades, T.A.S. acabou, por fim, falando a verdade. Ela confessou à polícia que a criança havia sido raptada de uma creche e que seria vendida a um traficante, conhecido como "Roberto", morador da Favela do Jardim Primavera, na mesma região. Enquanto isso, policiais de outra viatura já estavam no 49.º Distrito Policial, de São Mateus, onde encontraram Leudiane Pantoja de Lima, de 14 anos, mãe de Luana. Leudiane disse que foi até a creche, onde não encontrou sua filha, que já havia sido entregue para uma criança de aproximadamente 12 anos. Com o caso praticamente solucionado, os policiais da Rota resolveram ir até a Favela do Primavera, atrás do traficante citado pela menor infratora. Um grupo de suspeitos, ao perceber a chegada da polícia, se dispersou e deixou cair um pacote no chão. Dentro do pacote, havia R$ 1602 e uma pistola Bereta 6.35. A polícia não sabe dizer se o dinheiro encontrado era o valor que seria pago pela criança nem se um dos os suspeitos possa ser o traficante procurado. T.A.S., 12, que já havia sito detida na Febem em duas oportunidades por tráfico de drogas, agora volta pata a instituição. O pai de Leudiane comparaceu na delegacia de São Mateus, o que permitiu a entrega de Luana à mãe dela, menor de idade.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.