Rotina de ''planície'', mas com fama de planalto

Lula embarca em voo comercial após participar da festa de 31 anos do PT em Brasília; assédio de passageiros mostra que popularidade segue em alta

João Domingos / BRASÍLIA, O Estado de S.Paulo

12 de fevereiro de 2011 | 00h00

Acostumado nos últimos oito anos a ter seu próprio avião (o A-319 presidencial, ou Aerolula) e a decidir seus horários de embarque, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva sentiu na pele a realidade da aviação brasileira. O voo 1339 da Gol, que o levou de Brasília a São Paulo, ontem à tarde, saiu com 50 minutos de atraso. O petista estava na capital federal para participar da festa de 31 anos do PT.

Lula, no entanto, teve alguns privilégios. Ele, sua mulher, Marisa Letícia, e integrantes da comitiva, como a ex-secretária particular Clara Ant e o jornalista Otoni Fernandes usaram a entrada das autoridades para ter acesso à aeronave e embarcaram antes dos demais passageiros, No desembarque, tomaram uma van, enquanto os outros passageiros seguiram num ônibus.

Lula sentou-se na poltrona 1D. Cumprimentou os passageiros, tirou fotos com vários deles.

Lula disse ao Estado que ainda está cumprindo um "voto de silêncio" em relação à política, o que o impede de falar sobre qualquer coisa a respeito da atual administração e de fatos do dia a dia - no entanto, na semana passada, em Dacar, no Fórum Social Mundial, ele não se conteve e criticou as centrais sindicais, que lutam por um salário mínimo maior do que o estipulado pelo governo. Disse que a reivindicação delas era "oportunista".

Ontem Lula falou sobre a saúde de seu vice José Alencar. Disse que o tem visitado frequentemente, além de falar com seus familiares. Segundo Lula, Alencar lhe disse que estava se sentindo muito mal tomando os remédios para combater o câncer. "Ele falou que aqueles remédios estão acabando com ele", comentou Lula. "É uma situação muito difícil".

Quando o Boeing 737-800 pousou em Congonhas, Lula foi o primeiro a descer. Gabriela Gerin, estatística do Instituto de Pesquisas Econômicas Aplicadas (Ipea), fez uma foto de Lula abraçado com outros passageiros, mas não conseguiu uma dela mesma com ele.

O presidente do Conselho Nacional de Assistência Social, professor Carlos Ferrari, que é cego, tirou uma foto ao lado de Lula. Ele usava uma camisa do Corinthians. Lula, que é corintiano, disse: "Que camisa maravilhosa". Fernanda, mulher de Ferrari, reclamou: "Você tinha de estar com essa camiseta ridícula logo no dia em que conseguiu tirar uma foto com Lula?"

Lula era esperado ontem no Sírio-Libanês para visitar Alencar, mas o encontro foi adiado. O gastroenterologista Raul Cutait disse que o estado de saúde de Alencar continua grave, mas está estável. Alencar vem sendo medicado com antibióticos para tratar de uma infecção no intestino. A quimioterapia foi suspensa./ COLABORARAM GABRIEL MANZANO e WLADIMIR D''ANDRADE

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.