Roubo, perseguição e morte na região Noroeste de São Paulo

Dois assaltantes, ambos menores de 18 anos, armados com um revólver calibre 38 e uma arma artesanal, calibre 36, morreram, em suposta troca de tiros com policiais militares do 18º Batalhão, no final da noite deste domingo, após 20 km de perseguição pela região Noroeste da capital paulista.A dupla ocupava um Renault Clio preto e mantinha nele, como refém, a dona do veículo, a designer J.L.N., de 27 anos, que foi abordada pelos bandidos, por volta das 22h30, quando chegava em casa, em Parada de Taipas, após deixar o namorado, um encarregado financeiro, na Ponte da Freguesia do Ó, na marginal Tietê, de onde o rapaz seguiu viagem para Jundiaí, interior do Estado, onde reside.Um dos menores estava na direção do carro enquanto o outro, sentado no banco do passageiro, apontava a arma para a vítima, que foi obrigada a ir para o banco de trás. Ao perceberem que pessoas de dentro da casa de J.L.N. perceberam algo de estranho na porta da residência, eles mandaram a jovem ligar para casa e inventar que ela estaria levando alguém atropelado para o hospital. Como o telefone de sua residência estava ocupado, a designer, autorizada pelos bandidos, ligou para o namorado, e informou que seguia para o hospital com uma vítima de atropelamento. Mas o rapaz desconfiou e acionou a Polícia Militar.Cientes do seqüestro em andamento, homens do 18º Batalhão cruzaram com o Renault na Avenida João Paulo I, na Freguesia do Ó. Foram 20 km de perseguição, que começou na Avenida João Paulo I, se estendeu para a marginal Tietê, Rodovia dos Bandeirantes, acesso ao Rodoanel Mário Covas no sentido Caieiras e, por fim, na Avenida Raimundo Pereira de Magalhães, em Perus, zona Norte.Após perder a direção do carro, rodar na pista e invadir a calçada, os menores se distraíram e permitiram que a vítima abrisse a porta e saísse do carro, jogando-se ao chão. A designer relatou que, depois disso, abaixou a cabeça e apenas ouviu muitos disparos. Um policial então a colocou dentro da viatura e, em seguida, a designer ouviu outros tiros. Feridos no peito e membros superiores, os dois criminosos acabaram morrendo. O caso foi registrado no 46º Distrito Policial, de Perus.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.