Roubos crescem 30% no litoral paulista

De janeiro a março, crime aumenta em 13 das 15 cidades na costa do Estado

, O Estadao de S.Paulo

02 de maio de 2009 | 00h00

Os roubos cresceram em 13 das 15 cidades do litoral paulista de janeiro a março deste ano, em comparação com igual período de 2008. Foram 4.655 assaltos ante 3.583: aumento de 30%. As estatísticas da Secretaria de Segurança Pública, divulgadas anteontem, mostram que mais cidades litorâneas ultrapassaram a barreira de 100 roubos no primeiro trimestre. Em 2008, eram seis. Neste ano, nove. Entraram na categoria, em 2009, Ubatuba, cujo salto foi de 67 para 123; Peruíbe, de 80 para 120; e Mongaguá, de 89 para 119.Os aumentos mais expressivos foram registrados em Iguape (litoral sul), onde os roubos aumentaram de 4 para 9 casos (125%); Ilhabela, de 14 para 26 (86 %), e Ubatuba (84%). Essas duas cidades estão entre as mais badaladas do litoral norte. Em Bertioga, no litoral sul, as ocorrências de roubo passaram de 44 para 71 (61%). No vizinho município de São Sebastião, outro ponto nobre do litoral norte, os assaltos aumentaram de 56 para 88: elevação de 57%. A situação também é preocupante na Baixada Santista. No Guarujá os roubos subiram de 485 para 748 (54%); em São Vicente, de 673 para 920 (37%); em Praia Grande, de 781 para 995 (27%); e em Santos, de 995 para 1.114 (12%). Em Santos, Praia Grande e Guarujá, os números de 2009 superaram os índices de dois anos atrás.Já as quatro cidades do litoral norte computaram aumento nessa modalidade de crime. Assim como ocorreu em Ilhabela, Ubatuba e São Sebastião, os roubos também aumentaram em Caraguatatuba. Foram 146 casos no primeiro trimestre de 2009 ante 109 em igual período de 2008, elevação de 34%.As estatísticas da Secretaria da Segurança Pública apontaram queda apenas em duas cidades litorâneas: Itanhaém e Cananeia, ambas no sul. No primeiro município, os assaltos caíram de 175 para 167, redução de 5%. No segundo, os assalto passaram de 4 para zero.O combate aos crimes contra o patrimônio, especialmente os roubos, é uma das prioridades da Polícia Civil. Os aumentos preocuparam a cúpula da corporação e a Secretaria da Segurança Pública. O delegado-geral, Domingos Paulo Neto, se reuniu com todos os chefes de departamentos e delegados seccionais e pediu mais empenho nas investigações.O sociólogo Túlio Kahn, chefe da Coordenadoria de Análise e Planejamento, responsável pelas estatísticas, afirmou que a crise econômica ajudou a intensificar o crescimento dos índices, mas não é a única culpada. No Estado foram registrados 65.365 roubos no primeiro trimestre de 2009, um recorde.CAMILLA HADDAD, JOSMAR JOZINO e VITOR SORANO, DO JORNAL DA TARDE

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.