RPG online: a febre dos gamers atuais

Parecido com os jogos de computador normais de RPG - em que o jogador encarna um personagem e tem uma série de missões para completar em enormes cenários repletos de perigos e tesouros -, o RPG online difere apenas pela interação e já é uma febre na moçada. Para prosseguir em sua jornada nos mundos virtuais do RPG online, o jogador - chamado de gamer - precisa do auxílio de outros jogadores, seja para comprar itens como armas, poções e armaduras, seja para formar alianças para lutar e tomar castelos. "(O gamer) deve sempre pensar o jogo como uma comunidade", diz o estudante Bruno Ortega, de 18 anos. Para ele "a melhor coisa do RPG online é a interatividade". Os relacionamentos são vitais nesse tipo de jogo. A maioria dos jogadores se alia a outros gamers e forma clãs, uma espécie de gangue virtual. Nesses grupos, eles sentem mais facilidade em combater, invadir locais e alcançar seus objetivos. Porém, há quem prefira desbravar os extensos cenários virtuais sozinho. Esse tipo de jogador, por não ter com quem contar durante as batalhas, enfrenta muitas dificuldades, morre mais facilmente do que os jogadores pertencentes a algum clã e não desfruta da parte mais legal do jogo: fazer novas amizades. AmizadesDurante o jogo, entre uma missão e outra, os jogadores costumam conversar sobre coisas do mundo real, como música, baladas, família, etc. Com o tempo, de conhecidos no mundo virtual, os jogadores passam a amigos na vida real. O gamer Kalleo Coura, estudante de 20 anos, por exemplo, fez algumas boas amizades enquanto jogava o game online The Fourth Coming. "Conheci muitas pessoas em São Paulo e algumas em Rio Preto. Cheguei a fazer churrasco com esses amigos e até em baladas saímos juntos", afirma Coura. O estudante Bruno Fernandes Gomes, 17 anos, jogador de Ragnarök, também fez amigos por meio do RPG online. "No meu clã fiquei amigo de 10 pessoas". No entanto, ele reclama que a distância entre sua casa (em Mauá, na Grande São Paulo) e a de seus novos amigos inviabiliza uma amizade no mundo real. "Eles moram em outros Estados, como Pernambuco, Rio de Janeiro e Ceará", diz Gomes.RPG tradicionalAlguns gamers jogavam RPG tradicional (aquele em que o jogador, junto com alguns amigos e munido de livros, cartas, dados e tabuleiros, imagina a ação) antes de partirem para a versão online. "Eu jogava bastante RPG tradicional, com dados, mas parei e passei a jogar RPG online há uns três anos", conta o estudante Lenine Guarani, 17 anos, jogador de Ragnarök.Outro que jogou muito nos tabuleiros e livros antes de iniciar no mundo virtual é o estudante Bruno Pereira de Oliveira, de 19 anos. "Prefiro o RPG tradicional porque você imagina a situação." Além disso ele ressalta que um dos pontos negativos do online é a limitação nas tramas do game. "No RPG tradicional você é mais ilimitado." Porém, Oliveira vê na interação uma das maiores vantagens do online sobre o tradicional. "O que mais gosto é a interação com outras pessoas. Cheguei a fazer dois amigos com o RPG online", afirma o estudante. Mas, jogar RPG tradicional não é pré-requisito para o online. Quem nunca teve contato com o RPG, consegue jogar o online sem problemas, apesar de existirem diferenças entre as modalidades. No tradicional, por exemplo, há um "mestre" (pessoa que dá o rumo do jogo; que decide, entre outras, quem enfrenta quem); em vez de visualizar as batalhas, o jogador deve imaginá-las; é necessário que todos os integrantes estejam presentes em um mesmo ambiente, entre outras. EventosAlgumas lan houses realizam festivais de RPG online. Um deles é o Ragna Party e o Ragna Day. Organizados pela empresa responsável pelo Ragnarök no Brasil, os eventos reúnem fãs do jogo que, juntos, têm de cumprir diversas missões predeterminadas pelos promotores do evento. Quem alcança as metas recebe prêmios como canetas e revistas.Para começar a jogarPara começar a jogar RPG online não basta dar um start em seu computador. O iniciante deve, em primeiro lugar, adquirir o software do game, muitas vezes disponível gratuitamente para download no site oficial do game, como é o caso do Ragnarök. Em seguida, deve registrar-se em um servidor, o computador central que possibilita o desenrolar da ação no game. Para a maioria dos jogos, esse registro é pago - o jogador desembolsa todo mês uma quantia para poder jogar. Além disso, é preciso ter um computador rápido para processar os gráficos e o som do game, e uma boa conexão de internet para evitar o famigerado lag (atraso na resposta do personagem aos comandos do teclado).Os GamesVeja abaixo alguns dos principais games de RPG online:Ragnarök: baseado na mitologia nórdica, é o mais popular do País. Tem servidor nacional. The Fourth Coming: conhecido pelos gamers como T4C, tem como temática a era medieval. Os gráficos lembram a primeira versão do game Diablo.World of Warcraft: situado no universo mágico do game de estratégia Warcraft, é um dos RPGs mais populares do mundo. Star Wars Galaxies: tendo como pano de fundo a saga cinematográfica Star Wars, o jogador pode se tornar um caçador de recompensas, um contrabandista, um Jedi, um Sith, entre outros. Lineage 2: outro RPG com temática medieval, também é muito popular entre os gamers.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.