RS vai reunir descontentes com Alca

Terminada a Cúpula das Américas, o governo do Rio Grande do Sul se prepara para servir de anfitrião aos setores descontentes com a Área de Livre Comércio das Américas (Alca). Especialistas canadenses e mexicanos que identificam prejuízos aos seus países provocados pelo Nafta - o acordo de livre comércio da América do Norte que tenta estender-se ao continente - serão convidados a estar em Porto Alegre, em julho, para participar de um seminário internacional sobre a integração econômica.Ao mesmo tempo, o governador Olívio Dutra (PT) tentará reunir na capital gaúcha os governadores dos Estados e Províncias dos países do Mercosul para constituir uma espécie de câmara federada que busque influir nas posições dos presidentes da região. O vice-governador Miguel Rossetto (PT), que esteve em Quebec na reunião dos chefes de Estado, disse nesta segunda-feira que o presidente da Venezuela, Hugo Chavez, interessou-se em participar desse encontro.O venezuelano é um dos críticos da Alca e já pediu que seu país tenha o mesmo tratamento da Bolívia nas relações com o Mercosul. "Esse projeto, ratificado na declaração de Quebec, não guarda nenhuma relação com a experiência da União Européia, de criação de instituições supra-nacionais", afirmou Rossetto."Isso é apenas uma boa literatura", disse, referindo-se aos compromissos com a justiça social e a proteção ao meio ambiente assumidos desde a primeira reunião dos presidentes para tratar da Alca, em 1994, em Miami. A tentativa de estender à Alca o capítulo do tratado do Nafta que protege os investidores estrangeiros contra guerras, revoluções e restrições governamentais foi mencionada pelo vice-governador como um exemplo dos interesses que estão por trás das negociações de liberalização do comércio."Trata-se de dar liberdade aos investidores, proteger o grande capital e retirar dos governos a possibilidade de ter política econômica".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.