Rua dos Pinheiros reabre amanhã

Previsão é do Consórcio Via Amarela, que vai fechar a área novamente no fim de semana para reavaliar o solo

Camilla Rigi e Eduardo Reina, O Estadao de S.Paulo

07 de agosto de 2014 | 00h00

A Rua dos Pinheiros, na zona oeste de São Paulo, só deve ser reaberta ao trânsito às 5 horas de amanhã. A previsão é do Consórcio Via Amarela, responsável pelas obras da Linha 4 - Amarela (Luz-Vila Sônia) do Metrô, que detectou na semana passada alguns espaços vazios no subsolo da via durante a perfuração do túnel por onde passarão os trens.No entanto, o trecho entre as Ruas Mateus Grou e Mourato Coelho volta a ser fechado no sábado e domingo para uma avaliação do comportamento do solo após o retorno de circulação de veículos. Se nenhum problema ocorrer, a via será liberada na segunda-feira.O primeiro vão no solo foi detectado no dia 7, quando o shield, máquina também conhecida como tatuzão, avançou 20 metros à frente da Estação Fradique Coutinho, no sentido centro. A rua foi interditada e a área oca, preenchida com concreto leve e liberada na manhã seguinte. Mas um novo buraco maior, de 2 metros de diâmetro por 2 de profundidade, surgiu novamente no meio do asfalto no dia seguinte. Desde então, a rua está fechada.A primeira previsão do Via Amarela era liberar o trecho ainda hoje, mas no fim da tarde de ontem reavaliou a posição e mudou a liberação para a madrugada de amanhã. Logo após o surgimento do segundo buraco, um equipamento de ultra-som detectou 29 pontos de área vazia, que foram perfurados e, até ontem, estavam sendo preenchidos com argamassa e cimento para estabilizar o solo.No início da noite de ontem, a Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) ainda trabalhava com a possibilidade de reabrir a via hoje, mas sem previsão de horário. A CET depende do sinal verde do Consórcio.A Linha 4 ficou marcada pela tragédia de 12 de janeiro, quando o solo da Estação Pinheiros cedeu e abriu uma cratera de 80 metros de diâmetro por 25 de profundidade. Sete pessoas morreram.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.