Ruas que ficaram sem luz

Carta 19.346As Ruas Ubaldo de Abreu e Mário Schioppa, na Água Funda, estão sem iluminação (carta de 29/11). O problema começou num domingo de chuva forte e se prolonga até hoje. Os moradores já reclamamaram, mas a Prefeitura ainda não enviou técnicos para resolver o caso. Peço que o Ilume tome providências, porque até tentativas de assalto já houve nesse período.ADRIANA CAMARGOÁgua Funda A Secretaria de Serviços responde:"No dia 5, uma equipe de manutenção do Ilume esteve no local e eliminou um curto-circuito da rede, normalizando a situação." Sempre que chove mais forte, a última quadra da Rua Pelotas, da Amâncio de Carvalho para baixo, fica sem luz. Quando a luz volta, o poste diante do n.º 699 não acende. Como ele fica no final da rua, a escuridão é completa. Estamos sem luz desde o dia 2/11. Reclamei, mas nada!DORALISA CACCURIVila MarianaA Secretaria responde:"No dia 30/11, o Ilume eliminou um curto-circuito na rede, normalizando a situação." Desde ontem ( 2/11) a Rua Poetisa Colombina está sem luz. Liguei para o Ilume e deram 4 dias para atender!LUZIA HELENA N. MAZZOJardim BonfiglioliA Secretaria responde:"O Ilume rearmou a proteção e normalizou a iluminação da rua no dia 7/11."Carta 19.347E mais problemasConcordo com a carta do sr. Sérgio Friedheim (Reconstituição de ruas, do dia 4). A resposta do subprefeito de Pinheiros, sr. Nilton Elias Nachle, também está correta, e já vemos os trabalhos de reconstituição do passeio da Av. Pe. Antônio José dos Santos. Mas a avenida tem várias casas comerciais com a construção recuada em relação ao passeio, e oferecem estacionamento para os clientes em vagas sobre a calçada, a 45º. Os carros tomam todo passeio, obrigando as pessoas a andar pelo meio da rua - principal ligação entre Luís Carlos Berrini e Sto. Amaro, com mão única de direção e trânsito intenso de carros, caminhões e ônibus. Já vi gente ser atropelada por causa disso. Quando disse a um comerciante que as vagas reservadas a seus clientes são uma ofensa aos clientes pedestres, ele respondeu que as vagas podem até ser irregulares, mas os clientes as usam se quiserem, e que jamais um cliente foi multado. Comentei isso com um ?marronzinho? que estava na Berrini, que respondeu que lá não é sua área de atuação, e que seria preciso um trabalho de grupo, porque as calçadas são tomadas por carros nos dois lados. Entendi que se fosse apenas um infrator seria simples multá-lo, mas como são muitos devem-se fechar os olhos para a irregularidade. Sei que não é essa a posição das autoridades de trânsito, nem creio que ninguém jamais tenha sido multado por isso. Se assim for, a complacência dos agentes de trânsito é inconcebível. Pela quantidade de carros nas vagas, ou os motoristas realmente desconhecem o erro - ou então confiam na impunidade.MÁRIO GURIAN NETOBrooklin Desejo aproveitar a resposta à carta do sr. Sérgio Friedheim, Reconstituição de ruas, onde se menciona previsão de recapeamento na Teodoro Sampaio até o fim do ano. Há um ano, fez-se um grande trabalho de reconstrução de ruas de Pinheiros, como Cristiano Viana, Alves Guimarães, Oscar Freire e Teodoro Sampaio. E por que a Artur de Azevedo é sempre ignorada? Principalmente no trecho entre Cristiano Viana e Oscar Freire, há muitas ondulações e buracos (resultado de obras do passado, além de anos de descaso), incluindo uma cratera que deveria ser uma vala de escoamento no cruzamento com Alves Guimarães. Não é possível refazer esse trecho, para que os carros possam subir a rua sem ter de parar?CARLOS PHILIPE ALVES de OLIVEIRACapital Agradeço à Sub Jabaquara o zelo em garantir que o Centro de Exposições Imigrantes obedeça à Lei do Silêncio. Nas gestões anteriores os abusos eram freqüentes, com festas e eventos barulhentos que se faziam ouvir a centenas de metros e incomodavam os moradores até o início do dia seguinte. Esses abusos não mais ocorrem. Esperamos que o respeito à lei se mantenha, e que as autoridades continuem a assegurá-lo.JOSÉ LUÍS NEVESVila GuaraniCorrespondência para São Paulo Reclama: e-mails para spreclama.estado@grupoestado.com.br; cartas para Av. Eng.º Caetano Álvares, 55, 6.º, CEP 02598-900 ou fax 3856-2929, com nome, end., RG e tel., a/c de CECILIA THOMPSON, podendo ser resumidas a critério do jornal. Cartas sem esses dados não serão consideradas. As respostas não publicadas serão enviadas pelo correio.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.