Rumo à base governista,Kassab atrai o PC do B

Enquanto decide se vai ou não para um partido aliado a Dilma, prefeito de São Paulo entrega secretaria da Copa à sigla historicamente aliada ao PT

Diego Zanchetta, O Estado de S.Paulo

10 de fevereiro de 2011 | 00h00

O prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab (DEM), vai entregar ao PC do B, aliado histórico do PT, a tarefa de organizar a Copa de 2014 na capital. No mesmo movimento, Kassab vai abrir espaço para acomodar mais duas legendas - PR e PDT -, ampliando não só sua base de governo como agregando possíveis aliados para as eleições de 2012 e 2014.

O movimento ocorre justamente enquanto Kassab estuda convites para trocar o DEM pelo PMDB ou pelo PSB, siglas aliadas do governo Dilma Rousseff.

Até o fim de fevereiro, Kassab vai criar uma nova pasta, a Secretaria Especial da Copa, que será responsável por coordenar os projetos para a construção de um estádio em Itaquera, na zona leste, e de um centro de mídia para o Mundial. Na noite de terça-feira, o Diretório Municipal do PC do B aprovou a aliança com o prefeito. A decisão precisa do aval do Diretório Nacional, mas tanto Kassab quanto membros do partido em São Paulo dão o acordo como certo. "Eles (PC do B) têm quadros muito capacitados para assumir essa função. Ela (secretaria) vai concentrar tudo", disse o prefeito.

Na semana passada, Kassab havia convidado o partido a indicar um nome para a nova pasta, que terá sob sua responsabilidade cerca de R$ 1 bilhão em 2012. A mais cotada é Nádia Campeão.

Além de contemplar o novo aliado, Kassab avalia que ter o PC do B na Prefeitura facilitará a liberação de verba federal para projetos da Copa, já que o partido manteve o Ministério dos Esportes no governo Dilma Rousseff. "A Copa tem de ser uma confluência de esforços", disse o vereador Jamil Murad (PC do B).

Eleições. Desde a eleição para a presidência da Câmara, em dezembro, Kassab tem se aproximado do PC do B e havia prometido uma secretaria ao partido. O movimento também vislumbra uma eventual composição para as eleições de 2012 - o prefeito não pode concorrer à reeleição - e 2014, principal projeto político de Kassab, seja qual for o partido ao qual esteja filiado.

Nesse sentido, o prefeito aproveitou para incorporar ao secretariado o PR e o PDT, legendas com as quais Kassab também cogita alianças nas próximas duas eleições. Ambas apoiam Dilma no âmbito federal.

O PR assumirá o lugar do PSDB na Secretaria de Esportes. Por sua vez, o PDT ocupará a Secretaria do Trabalho, que será desmembrada da atual pasta de Desenvolvimento Econômico.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.