Ruralistas pedem policiamento anti-invasão no Pontal

Representantes dos fazendeiros do Pontal do Paranapamema, oeste do Estado, vão pedir amanhã ao secretário de Justiça e Defesa da Cidadania do Estado, Alexandre Moraes, a criação de policiamento especial para prevenir as invasões de fazendas pelos sem-terra na região. Os ruralistas querem patrulhas motorizadas da Polícia Militar percorrendo as estradas da região para coibir as ações dos Movimento dos Sem-Terra (MST) e Movimento dos Agricultores Sem-Terra (Mast). Segundo o presidente da União Democrática Ruralista (UDR), Luiz Antonio Nabhan Garcia, o aumento no efetivo policial énecessário em razão da intensa mobilização desencadeada pelos sem-terra na região. Desde o fim de março, o MST e o Mastrealizaram 18 invasões na região. Os dois mvomentos voltaram a organizar acampamentos, demonstrando a intenção de mantera política de ataque às terras produtivas, segundo o ruralista.Houve também casos de ameaças a fazendeiros e atentados com o emprego de armas de fogo. Ele vai pedir a recriação de umbatalhão da Polícia Militar em Presidente Prudente, desativado há seis anos. Segundo o presidente da Comissão Fundiária da Federação da Agricultura do Estado de São Paulo (Faesp), Almir Soriano, os ruralistas vão cobrar a edição do decreto que possibilita a regulamentação das áreas com mais de 500 hectares, que são tidas como devolutas. Os líderes dos fazendeiros pretendiam reunir-se com o governador Geraldo Alckmin, mas ele repassou ao secretário a tarefa de atender os ruralistas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.