Sábado de atrasos e longa espera nos aeroportos do País

Mesmo com os aviões fornecidos pela Força Aérea Brasileira (FAB) para ajudar a amenizar os atrasos nos vôos da TAM, os aeroportos do País continuaram com atrasos na manhã deste sábado. Em Brasília, a espera chegou a durar 36 horas. No Rio, uma mulher foi detida após discutir com uma funcionária da empresa aérea. Por meio de nota, a TAM anunciou que fretou outros cinco aviões para reduzir o desconforto dos passageiros.Em São Paulo, a situação não era diferente. Nos aeroportos de Congonhas e Cumbica os passageiros continuavam enfrentando longas filas no check-in e esperando por horas dentro das salas de embarque. Às 9h30, no Aeroporto Internacional de São Paulo, 14 decolagens e 20 pousos apresentavam atrasos. Em Congonhas, 28 vôos (14 partidas e 14 chegadas) marcadas para a manhã sofreram com os atrasos. Segundo a TV Globo, funcionários da TAM do aeroporto de Guarulhos interromperam o atendimento no meio da manhã alegando agressão por parte dos passageiros.Mas o tumulto não ficou restrito à São Paulo, Rio e Brasília. Durante a madrugada de sábado, em Recife, foram registrados atrasos em 22 vôos. Em Fortaleza, das 15 horas até às 23 horas da sexta-feira, 13 vôos sofreram atrasos. Em Salvador, esse número chegou a 31, no período de 10 horas da sexta-feira até a madrugada do sábado. Na manhã de sábado, na capital baiana, um dos aviões da FAB que está sendo usado para transportar passageiros da TAM decolou, às 9 horas, com destino a Maceió (AL). Mas, apesar do grande número de atrasos e cancelamentos, a manhã deste sábado foi de relativa tranqüilidade. Até o meio-dia, apenas dois registros de atrasos (com mais de uma hora) foram confirmados, no Aeroporto Internacional dos Guararapes (Recife). A previsão da Infraero, no entanto, é de que a "calmaria" não se repetirá no período da tarde, já que a maior parte dos vôos (com chegada e destino) às cidades de São Paulo, Brasília e Rio de Janeiro estavam concentradas no horário entre 15h e 21h. RevoltaNo aeroporto Tom Jobim, no Rio de Janeiro, a passageira da TAM Miriam Bezerra acabou detida pela polícia civil acusada de causar tumulto no escritório principal da empresa. Segundo testemunhas, uma discussão entre a passageira e uma atendente teria levado Miriam a jogar um computador no chão. Ela teria ficado revoltada com o atraso de mais de 12 horas em seu vôo para Natal. Miriam contou que "perdeu o controle" quando viu que o vôo, que havia sido remarcado por quatro vezes, partiu sem que ela pudesse embarcar. "O horário do vôo era às 20 horas de sexta-feira. Primeiro passaram para às 23h, depois para às 3h, depois para às 7h e depois me informaram que ele havia sido cancelado. Aí eu vi que ele decolou sem que eu embarcasse", relatou a passageira. Após a discussão com a funcionária da TAM, Miriam foi levada para o posto da policia civil no aeroporto, onde teve que prestar depoimento para depois ser liberada. Ela afirmou que irá prestar queixa contra a empresa aérea.Já no Aeroporto Internacional Juscelino Kubitschek, em Brasília, a espera para alguns vôos chegou a durar mais de 36 horas. O maranhense Euclides Neiva, de 26 anos, que saiu de São Paulo rumo a São Luis, não tinha conseguido chegar a seu destino até a manhã deste sábado. Seu vôo deveria ter saído às 20 horas de quinta-feira, 21, do Aeroporto de Cumbica, mas o avião só decolou às 3 horas do dia 22. O vôo, com conexão em Brasília, deveria ter saído às 23 horas de sexta-feira, mas ainda não deixou a capital federal rumo a São Luis. Em Brasília, vários vôos foram cancelados e as filas de check-in duravam até 5 horas.FretamentoNa manhã deste sábado, a TAM informou em nota que pagou o fretamento de um Boeing 737-200 e de quatro aviões ERJ 145. Os aviões juntam-se a outros dois Boeing 707 da Força Aérea Brasileira (FAB), oferecidos na sexta-feira, 22, pelo Comando da Aeronáutica. O objetivo, esclarece a nota, é colocar esses aviões em vôos previstos para este sábado, reduzindo o desconforto dos passageiros com os atrasos e cancelamentos registrados nos últimos dias.A empresa reitera, na nota, que continua "empenhada em retomar a normalidade de suas operações nos aeroportos brasileiros".Colaboraram Mônica Bernardes, Solange Spigliatti, Kelly Lima e André Dusek

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.