Sabesp afasta risco de racionamento até o fim do mês

Artificiais ou naturais, as chuvas que atingiram as represas do Sistema Cantareira na tarde de segunda-feira contribuíram para afastar, pelo menos até o fim do mês, o risco de racionamento para 9 milhões de pessoas da Capital e Grande São Paulo. Foram 50,1 milímetros de água no local, fazendo com que o nível do reservatório subisse 0,7 ponto porcentual.Nesta terça, a capacidade estava em 3,2%. Nos 18 primeiros dias do mês, o reservatório acumulou 121,4 milímetros de chuvas. A média histórica do mês todo é de 156 milímetros. "Segundo os técnicos, houve uma estabilização e a tendência é que o sistema comece a se recuperar", informou o gerente de Comunicação da Companhia de Saneamento Básico do Estado (Sabesp), Sérgio Lapastina. "Eles acreditam que a recuperação efetiva deve se confirmar em dezembro, quando as chuvas são mais freqüentes e intensas."Lapastina destacou que a situação em que se encontra o manancial, no momento, "confirma o acerto da opção dos técnicos em manter o abastecimento normal, sem prejudicar a população com um rodízio no Cantareira". Mas a empresa não afastou totalmente a decretação de racionamento.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.