Saia-justa na CPI: convocado da Airbus não fala por empresa

A CPI da Crise Aérea da Câmara passoupor situação embaraçosa nesta quinta-feira ao receber orepresentante da Airbus, Mario Sampaio. Convocado pela comissão para representar a companhiaeuropéia fabricante da aeronave que se acidentou em Congonhas,Sampaio disse que é consultor de imprensa e que não temcompetência para tratar de questões técnicas em nome daempresa. "Falar em pinagem de turbina é para engenheiro", disse,para surpresa dos parlamentares. "Em nenhum momento citei serrepresentante da Airbus", disse no depoimento, adiantando quesua presença na CPI foi autorizada pela diretora de relaçõescom a imprensa da Airbus. Economista, Sampaio mostrou à CPI texto enviado à imprensabrasileira em que se identifica como consultor. Ele é dono daempresa Multiplan, que presta serviços à Airbus. O executivo chegou a afirmar que a fabricante não temregistro e nem representante no Brasil, mas, em seguida,confrontado por dados apresentados pelo relator da CPI, admitiuque a companhia dispõe de um escritório dentro de instalaçõesda TAM . O escritório daria apoio técnico à empresa brasileira. Diretores de venda da Airbus também vêm periodicamente aoBrasil para fazer contatos com clientes e tentar ampliar osnegócios, informou. Sampaio ainda admitiu que, após o acidente com o AirbusA320 da TAM ocorrido em 17 de julho, uma equipe da companhiaeuropéia esteve em São Paulo. Ele relatou que teve contatorápido com o grupo em um hotel da capital, mas foi evasivo emrelação às atividades dos funcionários e disse não saber seainda estavam no Brasil. "Se você trata com a imprensa, você não pode saber do nossotrabalho, que tem que ser isento", teria dito um dosintegrantes do grupo a Sampaio. A Airbus divide a liderança mundial na fabricação de aviõescomerciais com a norte-americana Boeing. (Por Carmen Munari)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.