Saito diz que militares não podem fazer reivindicações de classe

Controladores de vôo foram afastados em julho por conta de "associações nos Cindactas", diz Saito à CPI

Milton F. da Rocha Filho, da Agência Estado,

08 de agosto de 2007 | 15h20

O Comandante da Aeronáutica, Juniti Saito, afirmou que alguns controladores de vôo foram afastados de suas funções pois não se pode "ficar reivindicando interesses de classe numa área militar. Estes elementos estavam atuando dentro destes setores, por isso os afastamos". Nesta quarta-feira, 8, Saito presta depoimento aos deputados da CPI do Apagão Aéreo. Segundo ele, os afastamentos de julho foram feitos por conta das associações dos controladores dentro dos Cindactas. O comandante da Aeronáutica admitiu que foi feita uma investigação sobre isto, "vimos manifestações na imprensa. Eles não estão afastados, estão em treinamento. Os 16 afastados estão em treinamento na área de defesa aérea". Quanto a formação dos controladores, Saito afirmou que eles passam por uma seleção rigorosa e que têm bons conhecimentos sobre os termos de controle aéreo usados em inglês. Depois do acidente entre o Boeing da Gol e o jato Legacy, em 29 de setembro de 2006, que deixou 154 pessoas mortas, os controladores brasileiros foram criticados internacionalmente pelo mau conhecimento de inglês.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.