Salgueiro entra na Sapucaí para falar das rainhas africanas

Com um enredo que fala sobre as antigas rainhas africanas, o Salgueiro foi a terceira escola a entrar na Sapucaí no último dia de desfiles do Grupo Especial do Rio. O público do sambódromo demonstrou empolgação com o desfile desde o início. À frente da bateria está a escultural Gracyane Barbosa, dançarina do grupo Tchakabum. Ainda na concentração, ela comentou que se preparou bastante para o dia D. "Ingeri muito carboidrato e bebi muito líquido", disse. A seu lado, estava Luiza Duran, de oito anos, a princesa da bateria. A menina contava que já é veterana: desfila desde os quatro aninhos. Dirigentes da Vermelho-e-Branco entraram na avenida com uma fita preta na lapela. Era sinal de luto pelo assassinato de Guaracy Falcão, vice-presidente executivo da agremiação. Falcão foi morto a tiros na semana passada na zona norte do Rio, junto com a mulher, Simone Moujarkian.

Agencia Estado,

20 Fevereiro 2007 | 00h41

Mais conteúdo sobre:
carnaval carnaval 2007

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.