Salvador quer se tornar o principal réveillon do País

Festejos se iniciarão no dia 29 e terão 18 atrações da música brasileira

Heliana Frazão, Especial para o Estado

13 Dezembro 2013 | 18h40

Salvador pretende fazer neste ano uma das maiores festas de réveillon do Brasil. Foi o que anunciaram nesta sexta-feira, 13, o governador da Bahia, Jaques Wagner (PT), e o prefeito Antônio Carlos Magalhães Neto (DEM). De forma inédita, os festejos deverão iniciar no dia 29 e prosseguir até o amanhecer do dia 1º, contando com nomes de peso da música brasileira, como Gal Costa, Caetano Veloso, Gilberto Gil, Saulo, entre outros - em total de 18 atrações.

A virada transcorrerá em uma dobradinha de Caetano e Gil, em meio a uma queima de fogos a ser realizada do píer do Distrito Naval, com duração de 14 minutos.

Os festejos, que costumam acontecer no Farol da Barra, neste ano se realizarão na Praça Cayru, nas imediações do Mercado Modelo, na Cidade Baixa. O local mudou em função do impedimento da orla da Barra, que passa por obras de requalificação.

A escolha da Praça Cayru, segundo o prefeito, deveu-se à questão da segurança, por se tratar de uma área ampla, de fácil acesso à população, mas que também oferece condição de dispersão, em caso de necessidade.

Haverá ainda queima de fogos simultâneas nos bairros do Comércio, Barra, Boca do Rio, Itapuã, Cajazeiras, Boa Viagem, Ribeira, Periperi e nas ilhas de Paramana, Bom Jesus dos Passos e de Maré. Durante todos os dias, os shows se iniciarão às 20h.

A expectativa de ACM Neto é de que a partir deste Réveillon Salvador entre na disputa pelo principal destino de final de ano do País e desbanque o Rio de Janeiro.

"Com vários dias de festa, certamente faremos o evento mais expressivo de fim de ano de todo o País. Não haverá outra capital com uma programação igual, gratuita", afirma, com o apoio do governador Wagner. "Salvador será a partir de agora um dos principais destinos de réveillon e, no próximo ano, voltando para a Barra, vamos disputar com o Rio de Janeiro, que já possui uma tradição na realização da festa."

O governador anunciou a disponibilização de um efetivo de 1,5 mil homens por dia para fazer a segurança da festa. O total de policiais foi definido com base no esquema montado anualmente para o Carnaval, quando cerca de dois milhões de pessoas saem às ruas da capital baiana.

"O mérito é da prefeitura, que conseguiu firmar parceria com a iniciativa privada para a realização da festa. Sabemos que o poder público precisa da iniciativa privada para promover eventos de grande porte, e que a iniciativa privada precisa do poder público para alcançar seus objetivos", diz ainda Wagner.

O governador se referia aos patrocínios da Coca-Cola e da cervejaria Schin, que somam R$ 2,2 milhões, uma cifra definida pelo secretário do Desenvolvimento, Cultura e Turismo de Salvador, Guilherme Bellintani, como "a maior já investida na festa".

De acordo com o governador, a parcela da população que mora mais afastada do centro da cidade também será contemplada com o revéillon nos bairros, a exemplo de Paripe e Cajazeiras, ambos populosos e periféricos, que também receberão atrações.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.