Salvador tem manhã tranquila após cinco dias de caos

A capital baiana teve uma manhã tranqüila hoje após cinco dias de manifestações estudantis que bloquearam várias ruas provocando a paralisação de praticamente toda a cidade. Lideranças estudantis tentaram conter os rebeldes que insistem em parar o trânsito para pressionar o prefeito Antonio Imbassahy (PFL) a revogar o aumento da passagem de ônibus que passou para R$ 1,5 domingo passado.Representantes da União Brasileira dos Estudantes Secundaristas, União Nacional dos Estudantes (UNE), Associação Brasileira dos Estudantes Secundaristas e grêmios de várias escolas de Salvador garantem liderar 85% dos manifestantes. Esses líderes decidiram parar os protestos de rua e na segunda-feira pretendem ocupar as escolas para discutir os rumos das negociações com a prefeitura. Imbassahy prometeu reunir no início da próxima semana o Conselho Municipal de Transportes para discutir a desonerarção da tarifa de ônibus de Salvador, mas insiste em não revogar o aumento.O grande desafio dos líderes estudantis é conter os rebeldes. Os estudantes dos cursinhos pré-vestibular, por exemplo, incentivados pela repercussão dos protestos, pretendem continuar bloqueando as ruas para conseguir a meia passagem, benefício que não têm. Além disso integrantes do Movimento Anarquista que fazem protestos que provocam caos na cidade, saíram às ruas ontem e desfraldaram suas bandeiras negras irritando várias lideranças estudantis que buscam um mínimo de organização no protesto. Neste Domingo, os estudantes vão participar da Marcha dos Excluídos organizada pelo Movimento dos Sem Terra após o desfile do 7 de Setembro.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.