Sampaio diz que não há necessidade de convocação de membros da PF para CPI

O sub-relator de sistematização da CPI dos Sanguessugas, deputado federal Carlos Sampaio (PSDB-SP), esteve pela manhã desta segunda-feira na sede da Polícia Federal, na capital paulista, para checar as denúncias publicadas pela revista Veja neste final de semana que apontam que o ex-assessor especial da Presidência da República Freud Godoy fez uma visita secreta ao ex-policial federal Gedimar Passos, na noite de 18 de setembro, quando ele ainda estava preso na carceragem da PF em São Paulo, após ser pego com R$ 1,7 milhão para a tentativa de compra do dossiê Vedoin. Depois de conversar com o diretor-executivo da PF paulista, Severino Alexandre, e com o chefe do núcleo de custódia da PF, Jorge Luiz Herculano, o parlamentar disse que "a princípio", não há necessidade de convocá-los para depor na CPI.Segundo informou Sampaio à Agência Estado, na conversa que teve com o Severino e Herculano, ele disse que sentiu sinceridade nos dois, ao negarem o encontro de Freud e Gedimar, conforme publicou a Veja. "A revista (Veja) deve ter fontes fidedignas. Mas, como não sei quem são essas fontes, fico com a percepção que tive com a conversa com os dois. Não vi má-fé na negativa deles."Sampaio disse que vai levar esta posição aos membros da CPI dos Sanguessugas. Ele informou que terá uma conversa nesta tarde com o presidente da comissão, Antonio Carlos Biscaia (PT-RJ), com o vice-presidente da CPI, deputado Raul Jungmann (PPS-PE), e o sub-relator da comissão, Fernando Gabeira (PV-RJ). "E vou apresentar a minha percepção de que não vejo necessidade de convocar o Severino e o Herculano,", afirmou, destacando que os dois negaram o teor da reportagem da revista. Ministro e advogadoSampaio questionou a postura do ministro da Justiça, Márcio Thomaz Bastos, nas investigações do escândalo do dossiê Vedoin. O deputado disse que está havendo "uma confusão do papel de ministro e de advogado de defesa". E salientou que não tem sentido o ministro chefe da Polícia Federal orientar os elementos que estão sob investigação desta instituição.O sub-relator acredita que a postura do ministro "não é saudável, porque ele confunde os papéis", e continuou: "É um contra-senso. O ministro não precisa fazer isso, já que tem uma biografia louvável". O tucano disse concordar com a avaliação do presidente nacional de seu partido, Tasso Jereissati, de que as investigações do dossiê Vedoin sejam monitoradas pela Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) e pelo Parlamento.O deputado também cobrou do presidente e candidato à reeleição Luiz Inácio Lula da Silva (PT) uma posição a respeito da origem dos recursos apreendidos pela Polícia Federal. "Lula deveria se esforçar para eles (os petistas envolvidos nos escândalos) informarem a origem dos recursos. Caso contrário, a espada vai ficar sobre a cabeça do presidente Lula", disse. VotaçãoA CPI das Sanguessugas deve se reunir nesta semana para tentar votar mais de 200 requerimentos da pauta. De acordo com a agenda da Câmara, a votação está prevista para acontecer na terça-feira. Entre eles, há pedidos de convocação de ex-ministros da Saúde do atual governo e do governo anterior.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.