Sanduíche envenenado causa duas mortes

O técnico em Eletrônica, Reginaldo Oliveira Fernandes Cristo, de 35 anos, morreu em conseqüência de envenenamento por raticida. Esta foi a conclusão a que chegou o Instituto Médico Legal de Santos, após examinar as vísceras do rapaz, que morreu no último dia 22 de setembro, nas mesmas condições de sua namorada, Patrícia Gasques, de 22 anos. Ambos começaram a passar mal após consumirem sanduíches de atum em um quiosque localizado à beira-mar.A princípio, pensou-se que o problema poderia estar ligado à uma contaminação do atum. Tanto o rapaz como a namorada apresentaram sintomas idênticos: vômitos, disenteria, incontinência urinária, insuficiência respiratória e mal-estar generalizado. Os dois passaram por prontos-socorros e até foram internados. Mas morreram dois dias após a ingestão dos sanduíches. A jovem, internada na Santa Casa de Misericórdia de Santos e no Hospital Guilherme Álvaro, acabou sendo transferida para um hospital de São Bernardo do Campo, onde a família residia. Por esta razão, os exames toxicológicos estão sendo feitos na capital.De acordo com laudo expedido pelo perito toxicologista do IML santista, Dário Bonifácio, vestígios do veneno foram encontrados no estômago do rapaz. Não foram descobertos sinais de drogas, mas apenas pequena quantidade de álcool. O casal havia tomado cerveja. O perito acredita que dificilmente os exames de Patrícia apontarão a presença do veneno, uma vez que a moça passou por lavagem estomacal, o que vai dificultar a investigação sobre os responsáveis pelo envenenamento. De qualquer forma, o laudo do exame toxicológico de Reginaldo será encaminhado ao 3º Distrito Policial, onde o inquérito para apurar a morte do rapaz já foi instaurado.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.