Sandy mata 33 nos EUA e Obama declara desastre

O presidente Barack Obama nesta terça-feira declarou desastre de grandes proporções na cidade de Nova York e Long Island, duas das regiões mais afetas pela supertempestade Sandy. A medida visa tornar disponíveis recursos federais para a população da área. Enquanto isso, subiu para 33 o número de mortos em sete Estados norte-americanos. No Caribe, atravessado pela tempestade na semana passada, Sandy matou 69 pessoas, a maioria no Haiti.

AE, Agência Estado

30 Outubro 2012 | 15h11

A tempestade entrou nos EUA por New Jersey na noite de ontem, deixou pelo menos 7,4 milhões de pessoas sem luz na Costa Leste e na região Meio-Oeste do país e paralisou a campanha para as eleições presidenciais norte-americanas, marcadas para a próxima terça-feira.

O governador de New Jersey, Chris Christie, deu uma coletiva de imprensa na manhã deste terça-feira e fez um balanço sombrio sobre a passagem de Sandy. "Está além de tudo o que eu poderia imaginar. É uma paisagem de devastação" disse Christie, referindo ao litoral do Estado, onde as águas arrancaram os trilhos de ferrovias. Partes do litoral de New Jersey ainda estão debaixo das águas, com muitas cidades alagadas. O cenário é parecido nas cidades litorâneas de Maryland e Nova York.

"Essa foi uma tempestade devastadora, talvez a pior que já experimentamos", disse o prefeito de Nova York, Michael Bloomberg.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.