Santa Catarina pode aceitar auxílio da Força Nacional de Segurança

Diante da frequência de ataques, governador diz que FNS será utilizada em 'ações específicas'

Júlio Castro, O Estado de S. Paulo,

12 Fevereiro 2013 | 11h42

FLORIANÓPOLIS - Diante da frequência de ataques, sendo um deles, na manhã de segunda-feira, 11, nas instalações do Centro Administrativo Estadual, o governador de Santa Catarina Raimundo Colombo já acena com a possibilidade do Estado aceitar auxílio da Força Nacional de Segurança (FNS) oferecida na semana passada pelo Ministério da Justiça. Em entrevista ao Jornal Diário Catarinense, no final da tarde de segunda-feira, após se reunir com o comando geral da PM, Colombo afirmou que a FNS deve ser utilizada. "É uma decisão técnica. A Força Nacional de Segurança será utilizada, se for o caso, em atuações específicas", disse ao DC. Para o governador, a segurança pública catarinense está dando resposta com a prisão de suspeitos e autores dos crimes. Estão sob investigação 137 pessoas e, após 14 dias de atentados, 31 estão presos.

Com três ataques e uma ameaça ao Fórum de Imbituba, agora já são 95 os atentados registrados entre a noite de segunda e madrugada de terça-feira, em 29 cidades de Santa Catarina. A Polícia Militar registrou uma ameaça de incêndio no Fórum de Imbituba, distante cerca de 80 quilômetros ao Sul de Florianópolis. No início da madrugada de terça, homens passaram em frente ao Fórum e atiraram uma pedra embrulhada em uma sacola plástica com um bilhete escrito: "Vumu toca (sic) fogo no fórum Imbituba". Desde a madrugada a segurança foi reforçada no local e imediações.

Em Tubarão, também no Sul, uma viatura da Guarda Municipal foi completamente incendiada pouco depois da meia noite. A guarnição fazia a segurança no albergue destinado a moradores de rua no bairro Pantanal quando cinco homens, conforme a PM, passaram em um veículo sedâ de cor prata e atiraram um artefato inflamável sobre o veículo. Em Chapecó, no Oeste, um Fusca foi incendiado em frente a residência da proprietária sem que os autores fossem localizados.

A PM não contabiliza o relatório de atentados - já que o caso está em análise do serviço de inteligência - mas em São Joaquim, na Serra, um ônibus foi incendiado por volta da 00h30. O veículo estava estacionado na garagem da prefeitura. Em São Miguel do Oeste dois homens com garrafas de gasolina foram presos na madrugada.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.