Santa Catarina registra mais quatro ataques entre segunda e terça

Criminosos incendiaram 2 escolas em Navegantes e 2 ônibus, 1 em Joinville e outro em Blumenau; foram 111 ocorrências desde o dia 26

Tomás M. Petersen e MARIÂNGELA GALLUCCI, Especial para O Estado

07 Outubro 2014 | 09h39

Atualizada às 22h49

O número de ocorrências relacionadas à terceira série de atentados em Santa Catarina diminuiu. Até o fim da madrugada desta terça-feira, 4, houve quatro ataques em três cidades. Em Navegantes, por volta das 21h30 de segunda, quatro homens invadiram um colégio público e atearam fogo em duas salas. Os bombeiros conseguiram controlar o incêndio. Depois, à 0h30, ainda em Navegantes, outra unidade de ensino foi incendiada, a 650 metros do colégio anterior. Um depósito e duas salas foram queimados.

Em Joinville, no fim da madrugada, às 5h30, um ônibus foi atacado, mas com poucos danos. Os moradores controlaram as chamas. No início da manhã, em Blumenau, às 6h10, outro coletivo foi incendiado.

Desde o dia 26, foram registrados 94 ataques a ônibus, viaturas, prédios públicos e casas de policiais em Santa Catarina. No mesmo período, o Estado promoveu 17 ações preventivas - com apreensão de armas e materiais - e prendeu 44 suspeitos.
 
Nesta terça-feira, o ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, e o governador de Santa Catarina, Raimundo Colombo, reuniram-se em Brasília para traçar estratégias de inteligência para o combate a atos de violência registrados nos últimos dias no Estado. Os dois não quiseram dar detalhes sobre as ações que serão adotadas, mas Cardozo destacou as medidas tomadas nos últimos dias, incluindo a remoção de 20 presos para penitenciárias federais de segurança máxima. 

Além disso, foi montada uma estratégia para fechamento do Estado pelos meios terrestre, aéreo e marítimo. Com o objetivo de evitar a entrada e saída de drogas, armas e dinheiro, foram mobilizados integrantes das forças federais e estaduais. Tanto Cardozo quanto Colombo consideram que os resultados são excelentes e os ataques estão “arrefecendo”.

Mais conteúdo sobre:
Santa Catarina Violência

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.